A obra de revitalização do Calçadão central de Imperatriz deve ser entregue no mês de setembro, é o que informou a engenheira civil responsável pelo projeto, Iracema Cesar Silva. A empreitada está sendo realizada pela Secretaria de Infraestrutura do Estado (Sinfra),  através da empresa de engenharia Gomes Sodré, com sede em São Luís.

O processo de renovação do espaço iniciou-se no mês de fevereiro e tem como propósito oferecer para os usuários do ambiente mais comodidade e segurança. “O projeto é inovador, terá uma cobertura total da área, iluminação sofisticada e paisagismo”, descreve a engenheira.

O trabalho de construção dos pilares que sustentam a estrutura total da obra conta com a mão de obra de 80 funcionários que atuam de forma direta e indireta.

De acordo com a engenheira civil foram disponibilizados 3,4 milhões para a revitalização do local. O investimento da obra está ligado à importância do Calçadão como um dos maiores pólos de comércio da Região Tocantina, que atende outras cidades e tem fluxo de visitantes dos estados do Tocantins e Pará.

O mestre de obras Deric Campos afirma que o projeto cumprirá o prazo estipulado, segundo ele os funcionários estão trabalhando em ritmo acelerado para cumprir o prazo de entrega.

Conflitos

A reforma do espaço, no entanto, não tem agradado os vendedores ambulantes que desde o inicio da restauração foram remanejados para outros pontos de comércio da cidade. O vendedor ambulante, Antônio Carlos Andrade, que trabalha há 20 anos vendendo acessórios no Calçadão, se diz injustiçado, e não beneficiado com tal reforma, visto que as novas instalações não disponibilizarão espaço para ambulantes.

A vendedora, Jennifer Oliveira, afirma não ver benefícios na revitalização, já que os transtornos de locomoção causados pela obra tem prejudicado as vendas nas lojas, além disso, ela não concorda com a exclusão dos vendedores ambulantes do Calçadão.   

Já a aposentada Odilha da Silva Oliveira freqüenta o Calçadão há anos e se diz animada com a reforma, por mais que tenha encontrado dificuldades para andar pelo espaço delimitado por causa das obras. “No momento tá difícil pra comprar as coisas, mas sei que isso tudo é por um motivo maior. Não vejo a hora de estar pronto, acredito que vai melhorar bastante a nossa comodidade na hora das compras”, comenta a aposentada.

O Imperatriz Notícias visitou a obra em março, confira a matéria aqui: https://imperatriznoticias.ufma.br/cidade/calcadao-recebera-estrutura-coberta/