Afeto e fé convertidos em caridade

Ações sociais organizadas por grupos de diferentes denominações religiosas na cidade de Imperatriz ajudam no combate à fome e dependência química

Por Lara Castro, Maria Gabriela, Pedro Bertoldo e Sarah Rocha

 

Distribuição de frutas e verduras na instituição filantrópica Recanto da Paz para moradores do bairro Parque Alvorada 2. Foto: Arquivo pessoal.

 

Dividir e compartilhar são algumas palavras usadas como lema de certas religiões para despertar a caridade e ajudar aqueles que mais necessitam de assistência. As doações de alimentos, roupas e até se livrar de algum vício são alguns dos auxílios que espíritas, umbandista, católicos e evangélicos prestam a sociedade, principalmente para as pessoas que vivem em situação de pobreza e da falta de apoio estatal. Em cada doutrina existem pessoas responsáveis por essas ações.

Um estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2020, apontou que o Maranhão é o estado onde mais brasileiros vivem em extrema pobreza, a cada cinco maranhenses um sofre com essa prerrogativa. Além disso, o estudo também aponta que o cenário de segurança alimentar no país piorou, os lares maranhenses aparecem em último lugar nesse quesito, ou seja, estão mais próximos da fome. Em Imperatriz, que é a segunda maior cidade do estado, também possui diversas pessoas que vivem em condições de pobreza e muitas vezes dependem das doações que as ações sociais das igrejas fazem para conseguirem a ajuda necessária.

Os membros dessas religiões também oferecem auxílio para aqueles que são dependentes químicos, viciados em álcool e drogas. Os responsáveis por essas ações sociais afirmam que fornecem alimentos não só para saciar o corpo, mas também a alma, como o amor, carinho e o cuidado, que muitas vezes muda a vida dessas pessoas.

 

Caridade e salvação: a doutrina espírita

“Fora da caridade, não há salvação”, afirma o presidente do Centro Espírita André Luiz, Ramsés Mesquita, 42 anos, em relação ao principal lema da doutrina espírita. Para ele, independente da religião, origem ética e qualquer diferença, o que importa é a pessoa ter felicidade, paz, harmonia na sua vida de fazer a caridade e o bem ao próximo. Desde criança Ramsés participa dos eventos de ações sociais, inicialmente na companhia dos pais. Além de presidente, também faz parte da Secretaria Geral do Conselho Espírita Municipal de Imperatriz, que reúne todos os centros espíritas da cidade.

Na concepção espírita a caridade é compreendida em dois aspectos: moral e material. A moral se estabelece através de palestras e estudos ofertados para os indivíduos que frequentam o centro espírita e também através da convivência com o próximo, baseada no amor, fraternidade e solidariedade. A material é compreendida pela doação de cestas básicas, roupas e mantimentos necessários para que as famílias subsistam. Ramsés explica que está no DNA do espírita ajudar o próximo.

Na instituição filantrópica Recanto da Paz, localizada no bairro Parque Alvorada 2, os projetos de ações sociais iniciaram com pequenos eventos que eram realizados por um grupo de jovens do Centro Espírita Voz Espírita. Inicialmente eram entregues lanches, bolos, refrigerantes e pipocas para a comunidade do bairro. Aos poucos o espaço ganhou paredes, bancos e se tornou um local de apoio para os moradores.

 

Momento de aprendizado religioso na Instituição Recanto da Paz. Fotos: Arquivo pessoal.

 

Atualmente, com 31 anos de existência, a instituição também fornece cursos de artesanato gratuitos, com emissão de certificados para os inscritos. O vice-presidente do local, Francys Lima, relata que os cursos servem para que o indivíduo não se veja apenas na condição de “pedinte”, mas que ele possa se dispor a aprender, pois assim surge a oportunidade de alcançar empregos e não ficar dependente das doações. “A instituição possui o objetivo não só de levar o conhecimento religioso filosófico da doutrina, mas tentar amparar através de doações de cestas básicas e cursos artesanais”, ressalta o vice-presidente.

A maioria do público que é beneficiado pela instituição é de outras denominações religiosas, “não existe nenhum requisito para participar da instituição, e se tiver alguma necessidade específica, já buscamos uma maneira de tentar atender”, conta Francys Lima. Ele relata que algumas famílias mudam do bairro Parque Alvorada 2, mas sempre que acontece algum evento elas colaboram com sua participação.

Antes da pandemia os atendimentos na instituição eram realizados todos os sábados. A partir das 11h da manhã um grupo de voluntários recebiam as verduras cedidas pelos comerciantes que contribuíam nos projetos e preparavam o almoço para os indivíduos que frequentavam o espaço. Depois das 4h da tarde era realizado o ensino religioso, em seguida a distribuição da sopa fraterna e os cursos de forma presencial. Com a chegada da pandemia os atendimentos foram suspensos. Atualmente as atividades retornaram nas quintas-feiras, mas somente com a distribuição de verduras e frutas de forma presencial. “Quando você olha e vê que está acontecendo, por mais que esteja cansado, mas sente por dentro um sentimento de satisfação que compensa”, menciona Francys Lima.

 

“Evolução espiritual”

No terreiro de umbanda Nossa Senhora Santana, em Imperatriz, ocorre a coleta de roupas e cestas básicas para fazer a distribuição. Além destas caridades, os membros do terreiro se disponibilizam todas as quintas e sextas-feiras, o dia inteiro, para realizar atendimentos às pessoas que procuram benzimento (um ato de abençoar alguém para afastar o mal espiritual de todas as origens), ou para tratar algum problema espiritual, tais como “quebrante”, “mal olhado”, “energias negativas”, dentre outros.

O médium Celson Santos conta que foi observado a realidade das pessoas que participavam das reuniões do terreiro e surgiu o sentimento de ajudar além do que a religião oferecia, que é o fortalecimento espiritual, mas também as auxiliarem em questões financeiras. A maioria dos beneficiados moram na margem da Estrada do Arroz, trabalham no lixão, residem nas proximidades do bairro Vila Redenção e também alguns participantes do terreiro.

O umbandista explica que o lema da região é “sem caridade, não há salvação”, que eles têm esse ato como umas das formas de manifestar amor ao próximo, tendo como exemplo Jesus. Essa manifestação de amor ao próximo também é vista pelo médium como uma forma de adquirir evolução espiritual. “A caridade faz parte da nossa vida, jornada e missão espiritual, como uma maneira da gente alcançar a evolução do espírito, a verdadeira essência que nós somos”, comenta Celson.

Técnica de energização, o passe, ajudar o próximo espiritualmente. Fonte: Instagram – @terreirodesantana

 

“Devemos fazer o bem sem olhar a quem”

 Há dez anos a paróquia Santa Cruz dispõe dos trabalhos da Pastoral da Ação Social. Quando atuava na paróquia o padre Agenor Mendonça sempre andava pelas comunidades e percebeu as necessidades espirituais, alimentares, de moradia e vestimentas. Diante dessa realidade, o sacerdote tomou a iniciativa de criar a Pastoral da Ação Social, com o objetivo principal de levar a palavra de Deus, o alimento espiritual, e cestas básicas, o alimento material.

“O padre nos acompanhava nas visitas que fazíamos as casas das famílias carentes, nós levávamos nas visitas, além de alimento material, também espiritual, doações de todos os tipos, até ajudamos na construção de uma casa. Fazíamos doações de móveis residenciais, dependendo das necessidades de cada família”, relembra o atual coordenador da pastoral Apolinário Pereira da Silva.

Segundo o coordenador, durante o período da pandemia da COVID-19 o número de necessitados aumentou. Devido ao isolamento social as cestas básicas eram deixadas nas portas das casas das famílias, sem a leitura da bíblia e as reflexões que eram feitas antes.

A Pastoral da Ação Social acompanha de perto as famílias que fazem parte das comunidades da paróquia e ainda não conseguiram uma renda fixa. “A pastoral faz as suas doações a quem precisa, sem distinção de cor, raça e religião, mas temos cuidado de destinar as doações às nossas comunidades, que são cerca de 23. Isto se não chega ao nosso conhecimento necessidades de outras comunidades”, explica o coordenador.

Durante as cheias do Rio Tocantins em 2021, a pastoral destinou 76 cestas para os abrigos das vítimas, o máximo que poderia ser mandado naquele momento, pois as outras cestas já tinham um destino reservado para as famílias das comunidades.

O coordenador da pastoral conta que nas épocas festivas como o natal, as doações são entregues no mesmo ritmo, mas além das doações de alimentos, também são distribuídas roupas, calçados e outros itens. “Como todo e qualquer ser humano que vai fazer o bem sem olhar a quem, nos sentimos felizes porque cumprimos mais uma missão que segundo a Bíblia sagrada é um pedido de Deus e seu filho Jesus Cristo”, relata Apolinário.

 

Reintegrar à vida

 O Instituto Lugar de Ajuda, coordenado pela Igreja Evangélica Nova Aliança, tem o objetivo de ajudar pessoas com dependências químicas. A Assistente social do instituto, Edina Rêgo comenta que são desenvolvidos seis projetos gratuitos à população, entre eles: “Renascer feminino”, para mulheres com dependências psicoativas, onde é realizada alfabetização para aquelas que não sabem ler e escrever e aulas de crochê; o “Promic”, uma assistência a adolescentes em situação de vulnerabilidade social; o projeto “Resgatando Gerações e Redenção”, que oferece aulas de reforço, violão, dança, entre outras.

O principal projeto desenvolvido no instituto é o “Renascer I”, que auxilia no tratamento contra dependências químicas. O local tem capacidade para acolher 70 homens, no período mínimo de 6 meses. O acolhido pode permanecer durante mais tempo, ou até virar um voluntário do projeto. Edina Rêgo conta que todos os coordenadores do projeto são pessoas que já passaram pela instituição e conseguiram ficar livres do vício.

A Assistente social comenta que o apoio familiar é fundamental durante a recuperação. Uma vez por mês acontece um encontro entre as famílias e os pacientes no lugar onde são tratados. Também ocorre toda terça-feira uma reunião no instituto somente com os familiares, na ocasião eles mandam e recebem cartas dos pacientes, um incentivo para diminuir a possibilidade de desistência do tratamento.

Para Edina, é muito gratificante ver as pessoas que foram acolhidas reconstruírem suas vidas, reestruturar a família e conseguir um trabalho, “costumo dizer que ajudar é melhor do que ser ajudado, quando entra uma pessoa aqui e fala comigo, as vezes eu nem conheço a pessoa, fico muito alegre, a alegria é tão grande que não tem explicação”.

Projeto Renascer em um momento de lazer com os acolhidos. Foto: Arquivo pessoal.

 

Bruno Ricardo, de 32 anos, trabalha no Instituto Lugar de Ajuda onde auxilia na triagem e outras funções. O projeto o ajudou a sair de uma dependência química que durou 12 anos. Bruno conheceu o projeto através de um amigo, “de início, tinha a ideia que não precisava, mas esse amigo me falou ‘no dia que você quiser, me procure’, e eu procurei tempo depois”. Faz dois anos que ele está livre da dependência.

Clenilton Lopes, de 30 anos, outro beneficiado pelo instituto, lembra que um rapaz indicou o lugar e, mesmo desacreditado, foi à procura de ajuda, “esta área envolve muito o espiritual e como eu estava afundado nas trevas, resolvi ir”. Recuperado, sentiu o desejo de permanecer e ajudar o Instituto. Hoje atua como motorista na logística de pegar e levar doações de móveis, eletrodomésticos, entre outros. Há nove anos Clenilton está livre das drogas.

 

Seguem os contatos para aqueles que desejam conhecer ou colaborar com algum dos projetos sociais citados:

 

Ações sociais

Formas de Contato
Número Redes sociais Endereço
Instituto Lugar de Ajuda (99) 3525-4761 insta: @lugardeajuda Rua Urbano Santos, 1537 – Juçara (esquina com a Rua Paraíba)
Terreiro Nossa Senhora de Santana (99) 99111-8917 insta: @terreirodesantana Av. Jacob, 10 – Vila Redenção
Paróquia Santa Cruz (99) 3524-8090 insta: @santacruz.itz Rua Frei Dário, 630 Vila Lobão
Igreja Batista Nova Aliança insta: @ibvnimperatriz Rua Teotônio de Vilela c/ R. Tocantins, 30. Vila Nova
Centro Espírita André Luiz (99) 9981-0280 facebook:

Centro Espírita André Luiz

Rua simplício Moreira, 2220 – Imperatriz – MA
Recanto da Paz (99) 9206-4436 Rua São Luiz, 40 – Parque Alvorada 2

Ref. Praça da Voz

 

 

Reportagem especial produzida para a disciplina Técnicas de Entrevista e Reportagem (2021.2), ministrada pela professora Nayane Brito.

Leia Também