Texto e fotos de Wyldiany Oliveira

Adolescentes e adultos têm encontrado dificuldade em emitir uma nova carteira da Identidade Jovem, a Id Jovem, e acessar o sistema do benefício. Dificuldades na emissão da carteira e acesso ao sistema Id Jovem 2.0,gerou a especulação de que esse benefício havia sido suspenso. Porém essa dificuldade foi decorrente da mudança da Secretaria Nacional da Juventude para o Ministério da Mulher e Direitos Humanos, causando alguns atrasos nos primeiros três meses do ano. Segundo o Balanço do Governo Federal, foram emitidas 1.329.571 carteiras de Id Jovem em 2018, e a tendência do programa é crescer cada vez mais entre a juventude.

Em Davinópolis, cidade próxima a Imperatriz, aproximadamente 16 mil pessoas foram cadastradas em 2018 e dessas, 1.250 foram com o objetivo deusufruir o benefício ID Jovem. Lançada pelo governo federal, oID Jovemé um documento que de acordo com a lei nº 12.933/2013,comprova a condição de jovens de baixa renda. Por meio do decreto 8.537 de 05 de outubro de 2015, esse benefício garante aos jovens de 15 a 29 anos, a meia entrada em eventos artísticos, culturais e esportivos, como também duas vagas gratuitas ou parciais no transporte interestadual.

A assistente administrativa do Bolsa Família de Davinópolis, Wirland Moraes, afirma que, geralmente, a dificuldade de acesso e emissão da carteira se dá pela falta de atualização cadastral. “Este ano, as pessoas estão procurando saber se os dados estão atualizados para obter seu Id jovem e para isso é preciso ser incluído no Cadastro Único do Governo Federal. Geralmente, a desatualização impede a emissão imediata da carteira e por vezes leva até 45 dias para regularizar. Por isso, a pessoa deve ir até o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) para a inclusão ou atualização do número de identificação social (NIS)e atualização cadastral”, esclarece.

O jovem pode apresentar o documento online ou impresso na hora de garantir as passagens.

O estudante e jornalista, Regilson Borges, ressalta que buscou o Id Jovem no intuito de ter acesso às viagens interestaduais, a fim de participar de eventos acadêmicos. Além disso, destacaa importância do benefício para a juventude.“É um direito assegurado por lei federal e sem sombra de dúvidas foi um grande avanço para integrar os jovens de baixa renda aos espaços culturais, como shows, cinema ou teatro, por exemplo”,ele explica.

Mesmo com esse benefício, alguns jovens ainda têm dificuldades em usufruir da Identidade Jovem, e a principal delas é a resistência de algumas empresas em liberar o benefício. “Já tive situações de ir no guichê da rodoviária, aqui em Imperatriz, e me falarem que não havia vagas para um determinado dia, mesmo indo checar com dois meses de antecedência. E no site da empresa tinha as poltronas vazias. Outras, quando concedem, estipulam um dia na semana para você viajar, o que também vai contra a lei, já que as passagens deveriam ser emitidas todos os dias”, afirma Regilson.

A estudante, Maria Maryana Castro, ressalta os benefícios do programa.  “O Id jovem além de prático, por ser online, é muito aceito, além de facilitar a entrada em eventos culturais e viagens”,destacaa jovem pelas oportunidades garantidas por lei.

O gestor do Cadastro Único e Programa Bolsa Família de Davinópolis, Márcio Rocha, ressalta que o Id Jovem se destina a jovens e adultos de baixa renda. “Um programa, dentre poucos, voltado para jovens e adultos de baixa renda de grande relevância, principalmente para o público estudantil de nível superior, tendo em vista que Imperatriz tem se tornado um polo universitário e quem tem acesso ao benefício terá uma grande facilidade no deslocamento”, afirmou o gestor.

Serviço

Para utilizar a Id Jovem, o interessado pode acessar a plataforma online ou imprimir e utilizar nos devidos locais. Lembrando que, para usufruir dos benefícios da identidade, é preciso cumprir os requisitos básicos como ter entre 15 a 29 anos, renda de até dois salários mínimos e estarincluído no Cadastro Único do Governo Federal com os dados atualizados.Para mais informações procure um Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) de sua cidade.