Texto e fotos Cassia Castro

 

“Quando você está iniciando também em qualquer coisa em relação a obter uma renda, no início é complicado, porque você precisa ganhar nome e fazer com que as pessoas te conheçam. Ouvi demais “Ah, isso não vai dar dinheiro não! Para quê você vai fazer isso?”.

Na área da beleza feminina a profissional Joelly Matos é a maquiadora mais influente na cidade de Imperatriz com mais de 32 mil seguidores em seu instagram. Além da profissão de maquiadora, ela também faz parte do time de digital influencers da cidade. Ela se formou em Pedagogia em 2006, no entanto, nunca exerceu a profissão. O amor pela maquiagem sempre existiu, mas não planejava atuar na área. Porém, quando uma empresa de maquiagem veio para Imperatriz lhe fez um convite de trabalho e a partir daí começou sua carreira em 2011.

Atualmente já tem mais de sete anos de atuação nesse mercado com 12 certificados de cursos profissionalizantes na área. Dentre eles, o mais importante é do Centro de Produções Técnicas (CTP) e Universidade On-line de Viçosa (UOV) que lhe oferece a oportunidade de ministrar cursos (foco atual da sua profissão).Com todo esse sucesso, já teve oportunidade de maquiar vários famosos como a bailarina do programa do Faustão Carol Nakamura,a atriz Monique Alfradique, a digital influencerCarol Cantelli e diversas misses.

Segundo Joelly, sobre o mercado de beleza em Imperatriz, acredita que está todo tempo em evolução, pois as mulheres da cidade são extremamente vaidosas, sendo assim, é uma área que a todo o momento está crescendo. Como qualquer mercado, tem seus altos e baixos, mas pressupõe que ao mesmo tempo o baixo é considerado ainda alto relacionado a outras profissões.

Suas maiores inspirações é o maquiador Helder Marucci, Bruna Malheiros e Junior Mendes. Ao longo da entrevista abaixo, Joelly fala um pouco mais sobre pontos positivos e dificuldades de viver a profissão de make-up influencer e também aborda questões relacionadas à beleza feminina.

Imperatriz Notícias –Em sua opinião, qual o poder da maquiagem, além da estética, sobre a vida das mulheres?

Joelly Matos – É gigantesco! A maquiagem tem o poder de levantar a autoestima. Eu já fiz um trabalho aqui em Imperatriz na Prefeitura com famílias de baixa renda e era algo que às vezes as mulheres estavam “destruídas” interiormente e quando elas iam para o curso levantavam 100%. Por que aquele momento é a hora de brincar com as cores e a gente brinca mesmo. Isso trazia muita alegria para elas. Não é apenas “Ah, vou fazer uma maquiagem e vou ficar bonita”. Não é isso! É muito mais, pois é algo que mexe com seu interior.

“Eu já fiz um trabalho aqui em Imperatriz na Prefeitura com famílias de baixa renda e era algo que às vezes as mulheres estavam “destruídas” interiormente e quando elas iam para o curso levantavam 100%”

I.N – No início da sua carreira, você recebeu críticas de familiares, amigos ou conhecidos por causa da profissão que escolheu?

J.M –Sim. No começo muita gente falava “Ah, não faz isso não. Vai estudar!”. Por ser pedagoga, falavam para eu fazer algum curso ou outra coisa. Enfim, para ser maquiadora de certa forma você perde seus finais de semana. Foi muito difícil principalmente no começo, e hoje ainda é, mas no início era maior por conta dessa situação de deixar a família para poder ir trabalhar. Então, tinha toda essa parte que as pessoas falavam,principalmente os mais próximos, para eu ir fazer outra coisa que possibilitava ficar o final de semana em casa.

Quando você está iniciando também em qualquer coisa em relação a obter uma renda, no início é complicado, porque você precisa ganhar nome e fazer com que as pessoas te conheçam. Ouvi demais “Ah, isso não vai dar dinheiro não! Para quê você vai fazer isso?”. Enfim, é isso.

I.N – Como uma make-upinfluencer, quais os pontos positivos e negativos desse mundo digital que você vive?

J.M –O ponto positivo é que a gente consegue se relacionar ainda mais com o cliente, principalmente como maquiadora que consigo ter uma relação mais íntima como entrar na casa da cliente e de conversar com elas. E pelo mundo digital, eu consigo isso ainda mais por que alcanço um público de fora [não só da cidade de imperatriz] e aí temos uma relação de amizade mesmo.  E os pontos negativos são as críticas. Elas não são legais. Dizem aí que existem críticas construtivas, mas eu nem acredito nisso. Se for para construir, que construa junto com o outro e não é preciso destruir primeiro. Sou muita adepta a escutar tudo, porém as críticas abatem e são ruins.

I.N – E como você lida com essas críticas? Ainda te afeta muito quando falam que você deveria escolher outra profissão?

J.M –Não, hoje não. Depois que eu passei a trabalhar isso dentro de mim foi mudando. Antes, era uma coisa que me afetava muito, mas hoje é tranquilo. Até por que eu não recebo muitas críticas. O que recebo mais é “Por que você não faz outra coisa?”, mas não por que não gostam do meu trabalho e se não gostam eu não sei. Mas essas críticas ouço mais de familiares mesmo, questionamentos nesse perfil.

I.N – Qual a maior dificuldade que você teve que enfrentar ao logo desses sete anos de atuação no mercado?

J.M –Eu acredito que a primeira mesmo foi tomar uma decisão. Trabalhava dentro de uma empresa de maquiagem e essa foi uma grande dificuldade de dizer que não estava mais participando do time da empresa e começar algo sozinha. Ninguém me conhecia como uma profissional. Então, começar é difícil por que para uma pessoa te entregar o rosto assim, era meio complicado. Eu não tinha fotos, não tinha trabalhos, não tinha ideia de como faria para poder divulgar. Foi algo difícil, mas que deu certo. Outra coisa é em relação à compra de materiais, pois para você iniciar precisa de praticamente tudo e em grande quantidade. Por exemplo, se eu for comprar uma base tenho que comprar várias para diferentes tons de pele.

I.N –E quanto foi seu custo inicial para começar nessa profissão?

J.M –Depende da área e dos produtos escolhidos (nacionais ou importados). Na época eu comecei na base de uns R$ 500,00. Eu juntei tudo o quetinha que não eram muitas coisas, e aí tirei até um vale na empresa que trabalhava para fazer essa pequena compra, por que nem dá para comprar muitas coisas com esse dinheiro. Maquiagem é algo que se você quiser trabalhar com produto de qualidade é um custo alto.

I.N – Além de ensinar truques de maquiagem nas suas redes sociais, você também indica produtos seja por parceria ou não. Alguma vez, no calor do momento, você indicou um produto para seus seguidores e depois se arrependeu por não possuir a qualidade que você esperava?

J.M – Não. Até por que se eu ganho um produto ou se compro sempre faço um teste de alguns dias, no mínimo uns dois dias para eu poder falar dele. Eu prezo muito por isso, porque hoje tomei um pouco desse lado das divulgações e de ser influenciadora. Meus seguidores vem atrás, pois acreditam e tem essa credibilidade. Então, não posso ferir isso de maneira nenhuma. Já aconteceu de umas situações com produtos de cabelo por que é algo que pode dar certo em mim, mas não ter o mesmo efeito em outra pessoa. Porém, nunca foi uma coisa assim de dizer “Acabou com o meu cabelo”.

I.N Ser maquiadora é sempre explorar a criatividade em seu trabalho. O que você faz para superar os momentos de bloqueio criativo?

J.M –Estudar. Eu sou bem elétrica e por isso o tempo todo quero poder criar coisas novas. Então, se posso dizer que tenho um dom é o dom da criatividade, mas não é voltado somente para a maquiagem.Confesso que às vezes acabo esquecendo esse lado, mas, quando isso acontece, sempre procuro estudar e pesquisar. Tenho sete anos maquiando, mas ainda preciso treinar sim e quando necessito disso ligo para umas modelos para vim até o ateliê.

I.N – Você começou com o seu canal no YoutubeJoelly Matos em 2015. No primeiro vídeo postado você fala que sempre teve vontade de criar conteúdo e postar no Youtube, mas atualmente não utiliza mais o canal.  Por que desistiu?

J.M –No mês passado eu tentei reativar o canal, não deu certo, mas ainda acredito que volto com ele. O Youtube é uma ferramenta maravilhosa, mas ele requer muito tempo e trabalho. Os vídeos que existem no meu canal são bem caseiros, sentei na frente da câmera, gravei e acabou, o que não te dar um retorno grande. Não adianta ficar horas na frente da câmera e falar um monte de coisa e ter, por exemplo, uma péssima iluminação. Hoje, criei cada cantinho do meu ateliê pensando também em gravar para o Youtube. Eu queria isso, eu queria gravar os vídeos, mas não a sei a parte de editar ainda e não consegui uma pessoa para fazer esse serviço, pois é um custo alto. É por isso que estou parada. Contudo, criei recentemente um novo perfil no instagramtrazendo essa cara de Youtube, também ainda está bem amador, porém é algo que gosto de fazer.

I.N – Quais dicas você daria para quem também deseja ser uma maquiadora de sucesso?

J.M –Acreditar! Acreditar que vai conseguir. Não tem um manual para isso, por que você pode ter apenas um pincel, mas se acreditar vai correr atrás para comprar os materiais e conseguir. No início foi difícil, poisqueria comprar muita coisa e como em um passe de mágica já ter um espaço gigantesco e ter tudo. Hoje, tudo isso que tenho é um sonho. Acreditar! Não tem outra palavra, não tem outro segredo, é sonhar mesmo e traçar metas. “Ah, mas não tenho condições e não tenho dinheiro”, acredito que quando sonha você canaliza coisas boas e acaba abrindo portas diferentes para ir atrás das suas coisas. Que as meninas que querem isso possam entender que sonhos são realizáveis, mas a gente só precisa buscar e crer. É devagar, não é do dia para a noite, mas quando você corre atrás, você consegue.