Texto e Foto: Gabriella Alves de Figueiredo

 

Não é de hoje que o processo para tirar carteira de habilitação sofre alterações e passa a incluir novos meios que garantem mais experiência ao futuro condutor. A primeira mudança já teve início em 2016 quando foi acrescentado ao processo os simuladores de carro, para que o aluno pudesse vivenciar situações do dia a dia, e a partir do final desse ano, a proposta é adicionar telemetria aos carros para monitoração. As novidades representam mais custos aos novos motoristas.

O preço para tirar CNH vai ficar mais caro em dezembro

Segundo o diretor do Detran (Departamento de Trânsito do Maranhão), João Kleber Viana, a proposta de adicionar câmeras nos carros para monitoramento já estava previsto para ter entrado em vigor em julho desse ano, mas acabou sendo adiado. “Vai entrar agora no final de 2018 e começo de 2019, a telemetria que é justamente o monitoramento dos veículos tanto de aula como de prova”, afirma João Kleber.

Com a telemetria, os carros terão que implantar câmeras que têm como principal objetivo avaliar e também monitorar não só o aluno, mas também o examinador responsável pelas aulas da autoescola, podendo então um dos dois recorrer as imagens durante o processo do aluno e se certificar que não ocorreu nenhum problema ou algum engano durante cada etapa da avaliação, seja durante as aulas ou na prova final do percurso obrigatório.

Por se tratar de uma novidade a ser instalada nas autoescolas de Imperatriz, por enquanto a cidade conta apenas com o simulador, procedimento que já é obrigatório para os condutores de carro. Dando tempo para aqueles que não tem pretendem ter gastos extras ao tirar a habilitação.

Preço

Mas a novidade terá um custo. Se no início do ano o futuro motorista já teve de desembolsar algo em torno de R$ 350,00 no custo final da sua habilitação por conta das aulas com o simulador, que passou a ser obrigatório para quem pretende tirar carteira B que permite dirigir automóveis, o novo equipamento vai gerar um aumento previsto de pelo menos 27%, ou seja, aproximadamente R$ 500 a mais no custo total da carteira. E com um valor total que pode chegar a quase 3 mil para obter as duas categorias de habilitação, A e B, mas ainda sem um preço fixo, pois será estabelecido por cada autoescola.

Mesmo ainda sendo algo novo e que a maioria não está ciente do valor a ser alterado, o estudante Hugo Pereira se mostra bastante preocupado a respeito do novo aumento previsto. “Para mim vai dificultar a tirar a carteira de motorista, pois, o valor está ficando cada vez mais caro e isso acaba fazendo repensar em tirar a habilitação ou não no momento, mas pretendo tirar antes da nova lei entrar em vigor”, conta Hugo.

Por ser ainda uma previsão para o final de 2018 e início de 2019, ainda é possível encontrar um valor acessível em autoescolas da cidade e tendo como único gasto extra apenas o simulador, que deve ser iniciado antes das aulas práticas. Podendo então, diminuir os gastos ao final de todo o processo de formação de condutores.