Mosquito Aedes Aegypti é o causador da dengue, chikungunya e Zika (Arquivo Agência Brasil)

 

A incidência dos casos prováveis de dengue no Maranhão caíram 4,4% este ano comparado a 2018. Conforme dados do Ministério da Saúde, neste ano a doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti no Maranhão apresentou 219 casos em relação a 2018 com 229 casos registrados. Barra do Corda um dos Municípios do Maranhão recebeu durante uma semana do mês de janeiro equipes do Programa de Prevenção e Controle de Arboviroses da Secretaria de Estado de Saúde (SES), no combate ao Aedes aegypti.

Os carros com o serviço de aplicação de inseticida (fumacê) passaram ainda em Cidelândia, Graça Aranha, Gonçalves Dias, Santa Rita, São Domingos do Maranhão, Bom Jardim e Aldeias Altas, todas cidades que apresentaram altos índices de infestação. A região Nordeste apresentou 4.105 casos de dengue entre dezembro de 2018 e fevereiro 2019. No pais foram registrados 54.777 prováveis casos no trimestre.

Diferente do Maranhão, outras regiões sofrem com a dengue. A região sudeste apresentou 59,9% de incidências de casos sendo o maior numero. Durante todo o ano passado, foram notificadas 23 mortes por dengue no Brasil inteiro, conforme informações do Ministério da Saúde.

Algumas medidas de prevenção incluem vedar tonéis, caixas e barris de água, trocar a água dos vasos de planta uma vez por semana, manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo e acondicionar apenas pneus em locais cobertos.

No período chuvoso, o Programa de Prevenção e Controle de Arboviroses intensifica as ações de combate ao Aedes aegypti, uma vez que o mosquito necessita de água parada para que os ovos eclodam. O inseticida pulverizado mata apenas os mosquitos adultos que estiverem dentro e fora da casa no momento da aplicação, por isso é muito importante evitar que outros mosquitos se criem, eliminando todos os recipientes que contenham ou venham a conter água parada.”

fontes: Agência de notícias, Maranhão e Agência Brasil