Texto: Yanna Duarte.

Fotos – interna: Divulgação/ Adailton Gama

Capa: Divulgação/Artur Moura

Imperatriz tem se tornado uma grande incentivadora do ciclismo. A cidadepossui ao menos sete clubes de ciclistas, criados a partir da união de amigos e familiares que gostam do esporte e possuem objetivos como competições e lazer. Dentre eles, há uma diversidade de modalidades, desde aqueles que só pedalam no asfalto da cidade, até os que viajam para outros estados em cima de uma bicicleta. Entre os grupos, o Clube do Pedal Amador (CPA) tem apenas dois anos e é o maior em número. Com uma média de 300 ciclistas ativos, a organização sem fins lucrativos tem atividades de segunda-feira a sexta-feira e aos sábados também. O maior destaque do clube é o chamado pelotão PP (Pura Paciência), que tem por objetivo iniciar e aconselhar quem pedala pela primeira vez. Cada pedal que eles realizam tem em média 80 participantes.

“Acompanhamos as pessoas que são iniciantes no pedal. Quem nunca pedalou inicia no pelotão PP. Aí tem o pessoal que vai na frente, mais experiente, mas que quando chega em determinado lugar, esperam os que estão vindo atrás. O companheirismo no grupo é muito forte”, afirma o presidente do clube, Adailton Gama.

 

Trajetos Percorridos

Para os grupos que pedalam no asfalto, os trajetos normalmente percorridos são Imperatriz a João Lisboa, Imperatriz a Davinópolis e Imperatriz a São Miguel (TO),com uma média de 25 km. Esse percurso é escolhido pra ser percorrido a noite por ter um fluxo menor de carros, como é o caso do Clube do Pedal Amador.Em contrapartida, há ciclistas que gostam de pedalar pela manhã, na madrugada. Iniciando as cinco da manhã até as oito, horário em que entram no trabalho, alguns escolhem o percurso de Imperatriz a Senador La Roque, o que dá uma média de 60 km percorridos, como faz os integrantes do Shallom Bike Club.

Mas há também quem não se identifique com planejamentos. Para alguns grupos, o trajeto e horários são escolhidos quando marcam o pedal. É o caso do clube Anarchy (anarquia, em português), que não possui um cronograma de atividades definidas. Existente há dois anos e contando com 34 integrantes, eles não impõem regras a prática. “O grupo é livre. Não tem regras, não tem líderes, não tem seguidores. Somos apenas ciclistas”, diz o representante do clube, Emilio Júnior.

Outros grupos, porém, preferem percorrer distânciasacima de mil quilômetros, como para a Chapada Diamantina, na Bahia. Esse estilo tem o nome de cicloviagem e é percorrido de bicicleta, podendo ser praticado por um grupo de indivíduos ou apenas o ciclista.Quando ocorre essas viagens, os abrigos são acampamentos improvisados ou a casa de pessoas que os recebem. Em Imperatriz, o XBike Clube de Cicloturismo tem 15 integrantes e viaja longas distâncias uma vez por ano. Ao mês, eles pedalam trajetos mais curtos, acima de 100 km.

 

Grupos de Trilhas 

Ciclistas sobem serra do estrondo em Axixá-Tocantins

Os clubes que não pedalam dentro da cidade tem como atividade principal as trilhas. Elas exigem um maior contato com a natureza e os destinos são para lugares como Carolina e a Serra de Axixá, no Tocantins. Nessa categoria, inclui-se os Ciclistas Novo Tempo, um grupo de trilhas que usa os pedais paratrabalhar a construção do bem-estar físico, mental e espiritual de seus 60 integrantes. Percorrem em média de 20 a 60 km e suas atividades são realizadas duas vezes por semana, as terças e nos domingos.Embora não sejam competitivos, buscam participar dos eventos de ciclismo que ocorrem na cidade.Com o mesmo foco de fazer trilhas, há o grupo Paital Bike Club, pioneiro na cidade e que possui 19 integrantes.

O ciclismo vem conquistando os imperatrizenses por ser uma prática que oferece diferentes experiências a seus usuários, seja pelo lado aventureiro, competidor ou amador. Por isso, há grupos que são formados pela necessidade de viver uma rotina mais saudável, e contam com o esporte para isso. É o caso dos Velhinhos Indomáveis do Pedal Voador, um clube da terceira idade, mas que deixa muitos jovens para trás. Existente há cinco anos, os velhinhos fazem trilhas e pedalam dentro da cidade, com atividades três vezes por semana, percorrendo em média 70 km por pedal.

 

Para se informar e participar de um dos clubes

Com propostas diferentes, todos os grupos aceitam outros integrantes e não cobram nenhum valor para participar.

 

Clube do Pedal Amador:Pedalam de segunda a sexta, durante a noite e aos sábados.Nos dias da semana percorrem 25 km em cada pedal e, aos sábados, acima de 100 km. Telefone: 99905-6919. Fanpage: CPA – Clube do Pedal Amador / Youtube: CPA – Clube do Pedal Amador.

Ciclistas Novo Tempo: Somente trilhas às terças e domingos, pela manhã. Telefone: 99103-4837.

Clube Anarchy: Sem dias nem horários fixos. Fazem trilhas e pedalam no asfalto. Telefone: 99137-3596.

Velhinhos Indomáveis do Pedal Voador: Clube da terceira idade, mas aberto a todos. Pedais três vezes por semana.Telefone: 99131-0875.

Shallom Bike Club: Pedais de terça a sábado, geralmente das cinco às oito da manhã.Nos dias de sábado é acima de 100 km. Aberto a nível nacional. Também treinam com foco em competições. Telefone: 99106-9960.

XBike de Cicloturismo: Voltado para cicloviagens. Pedalam para outras cidades, acima de 1000 km uma vez por ano. Uma vez por mês percorrem distâncias mais curtas, sempre acima de 100 km. Telefone: 98437-5335.

Paital Bike Club: Primeiro grupo de ciclismo da cidade, fazem apenas trilhas. Todas as quartas e sábados, percorrendo de 25 a 60 km. Telefone: 99977-4047.