Com apenas dois voluntários, o projeto ensina crianças de seis a quinze anos a ler e a escrever uma vez por semana

 

Projeto social Batuk

Foto Reprodução: Imperatriz Online

 

O projeto social Batuk que ajuda crianças precisa de mais professores voluntários para dar aulas de reforço. As aulas, que são apenas uma das muitas ações desenvolvidas pelo projeto, acontecem todas as segundas-feiras a noite, das 18 às 20 horas. Com apenas dois voluntários, as turmas somam cerca de 40 alunos todas as semanas, com idade que vai de seis a quinze anos.

Como os alunos possuem diferentes idades e níveis de aprendizado, a maior dificuldade se encontra em conciliar e atender a todos com um número pequeno de professores. “Precisamos de voluntários pra gente separar por faixa etária e até por instrução também. Os que já sabem um pouquinho mais a gente vai mudando o nível”, diz Naldo Belone, criador do projeto.

Projeto social batuk

Foto: Arquivo Pessoal Naldo Belone

Dificuldades 

As aulas tem como foco principal a alfabetização dessas crianças e adolescentes com o aprendizado da escrita e leitura. Os professores trabalham apenas Português e Matemática, por enquanto. Para a voluntária do projeto, Talessa Viana, “uma das grandes dificuldades dos alunos é a leitura. Crianças no quinto ano que não conseguem ler direito, no terceiro que ainda estão conhecendo o alfabeto e crianças que eu percebo um déficit de atenção muito grande”, comenta ela.

As dificuldades são muitas, seja para quem ensina ou para os alunos que estão em processo de aprendizado. No âmbito do ensino, o maior desafio que os voluntários enfrentam é o de entregar um conteúdo de fácil entendimento para todas as crianças, mesmo cada uma tendo suas limitações e diferenças. “O que me deixa triste é o fato de ter crianças em séries muito avançadas sem saber o que deveria ter sido ensinado a elas no primeiro ano de qualquer escola, seja pública ou privada. Como que passa? Como que vai de uma série pra outra sem aprender o básico?”, questiona Talessa Viana.

Mesmo com essas dificuldades, o projeto acontece a todo vapor e oferta as aulas todas as segundas. Para se voluntariar ou conhecer o trabalho deles, basta falar com o idealizador Naldo Belone ou visitar o espaço físico.

Início de Tudo

Há sete anos atrás, em 2013, o amor pela música e pelas artes em geral fez Naldo Belone, de 43 anos, fundar junto com sua esposa o Projeto Social Batuk, que tem como objetivo ajudar crianças em situação de risco por meio da arte, música e esporte. O projeto se sustenta por meio de doações das pessoas e necessita dos materiais mais básicos para manutenção de suas atividades, como itens de higiene pessoal, lanches, material escolar e roupas.

“Nós precisamos aqui do sustento de cada dia do projeto. Hoje ele custa por volta de 2 mil reais por mês em gastos como combustível, manutenção, lanches, aluguel, energia, entre outras despesas. E estamos aberto a receber cestas básicas, medicamentos, materiais de limpeza… De tudo um pouco a gente necessita aqui, porque as demandas são muitas. Nós não atendemos simplesmente as demandas, nós acompanhamos os pais, os idosos, acompanhamos todo o tipo de ocorrência que acontece aqui no nosso bairro”, explica Naldo Belone.

Serviço

Idealizador do projeto: Naldo Belone.

Contato: (99) 98101-8000

Endereço físico: Avenida Norte Sul, número 87, Vila Vitória. Atrás do IML.

Para ficar ligado nas atividades deles:

Instagram: https://www.instagram.com/projeto_social_batuk/?hl=pt