Jornal On-line do curso de Jornalismo da UFMA de Imperatriz

Entrega de drinks segue em Imperatriz, mas clientes preferem consumir presencialmente

Texto de Laura Paulino e Vivia Maria

Fotos do acervo pessoal de Felipe Touché

 

Com a flexibilização do decreto municipal que limita o funcionamento de bares para evitar a contaminação por Covid-19, o consumo presencial de drinks está se reestabelecendo em Imperatriz. Com isso quem oferece serviços de delivery começa a ver o esvaziamento dos pedidos. Mesmo assim, quem investiu neste tipo de entrega diz que a opção foi o que garantiu o sustento. Entre os clientes, há quem ainda siga mantendo as medidas de segurança.

A consumidora Andreza Gonçalves, 25 anos, relata que recorreu ao delivery por questões de segurança, mas que pretende voltar aos bares. “Durante a pandemia, peço delivery por prevenção, mas gosto de arejar, ver pessoas…”, diz.

A jovem conta que quando descobriu que havia delivery de coquetéis em Imperatriz, aprovou a ideia, especialmente por conta do isolamento social. “Além do conforto de receber em casa, estamos mais seguros em meio a tudo que estamos vivendo”, diz. Ela ainda acrescenta que tinha o hábito de pedir em um bar específico por estar mais familiarizada com o serviço, mas que o local interrompeu as entregas, depois que a abertura dos estabelecimentos foi liberada.

O bartender Felipe Touché, 27 anos, é dono da Touché Drinks, empreendimento focado em coquetelaria para eventos, degustações e delivery. Ele diz que essa especialidade ainda é pouco conhecida pelo público da região. “As pessoas em Imperatriz ainda estão desmistificando que todas as festas que elas forem só vai ter caipirinha, caipirosca e aqueles coquetéis com cobertura de sorvete”, explica.

Serviço de drinks teve de criar entregas para não fechar

O empreendedor conta com a ajuda da mãe para realizar as entregas e menciona que os pedidos são agendados via Instagram ou Whatsapp. Ele explica que prefere mantê-las por agendamento, já que trabalha praticamente sozinho em seu negócio. “Eu não consigo estar sozinho aqui, no quintal de casa, como consultor e, ao mesmo tempo, estar atendendo um delivery e, ao mesmo tempo, estar em um evento. Já aconteceu de eu receber um convite de última hora para um evento, um cliente falar que queria delivery e eu ter que falar que não tinha como”, justifica.

Felipe, que iniciou seu negócio em 2020 durante a pandemia, afirma ser o único a trabalhar com delivery na cidade até o momento, mas que mesmo assim sente que a concorrência aumentou, desde a reabertura dos bares.

“Dificilmente você vai ter um cliente que quer degustar um drink em casa, a maioria quer ir para o bar, ter a experiência de estar fora, de sair, de se divertir e provar o drink lá mesmo”, diz.

Já o presidente da Associação de Bares de Imperatriz, Alessandro Di Minda, alega que nem todos os baristas se reestabilizaram, após a diminuição das restrições da prefeitura. “Apenas 50% dos donos de bares estão conseguindo se recuperar nesse momento”. Segundo ele, serviços de entrega auxiliaram alguns estabelecimentos a amenizar os prejuízos.

Para Di Minda, mesmo com a flexibilização das atividades comerciais, demorará um tempo até que o setor se recupere totalmente. “Acredito que, após a vacinação, o movimento voltará ao normal, porém o segmento levará uns três anos para se recompor das dívidas”.

 

Serviço

Touché Drinks

Contato: (99)98504-1221

Instagram: @touchedrinks

You might also like