Conversa no início da oficina que aconteceu na UFMA em março de 2019 (Crédito: Clarissa Dallo).

A oficina de escrita criativa  esta na sua quarta edição e desta vez vem com a novidade de ser aberta para participação do publico masculino. Esse projeto começou no inicio do ano de dois mil e dezenove com a professora Samanta Matos – mestre é doutoranda em Licenciatura e Crítica Literária pela  Pontifica Universidade Católica- PUC através de um convite  com a  Articulação Feminista de Imperatriz-AFIM para oferta um momento com mulheres falando de textos de escritoras feministas e expressar suas emoções em textos.

 

As outras edições eram voltadas para o público feminino, a idéia e desbloquear a escrita literária dos participantes através de uma introdução de praticas de escrita criativa e finalizar com a produção de textos pelos alunos. ” Abrimos para o publico masculino nesta edição para agregar mais pessoas que são interessadas pela escrita é  conhecer os diferentes tipos de escrita do publico da oficina e pensando nisso vamos trabalhar contos nesta oficina e na próxima vai ser poesias, isso abre um leque para os diferentes tipos de escrita”, ressalta Samanta Matos sobre a expectativa dessa participação masculina nesta edição.
Os autores utilizados nos encontros, são  preferencialmente de autores brasileiros, com poesias e textos críticos, também se faz uma breve apresentação dos autores da cidade de Imperatriz, no qual Samanta Matos se insere neste contexto com o livro de poesias (Re)Leitura de Mim.
Samanta Matos nos conta que os textos compartilhados pelas alunos da primeira oficina ocorridos na Universidade Federal do Maranhão-UFMA foram tão emocionantes que desde então ela tornou um projeto pessoal.   ” Ministrei essa mesma oficina em Brasília-DF é foi um sucesso, com um ponto muito interessante, a participação de três gerações de mulheres do mesmo núcleo familiar. Elas compartilharam experiências coletivas e foi lindo”, relata Samanta.
O curso tem como requisito para participar apenas a obrigatoriedade de ser alfabetizado é ter acima de quinze anos é não tem preferência de temáticas literária. É necessário apenas disponibilidade para  soltar a imaginação e as travas interiores adquirida através de experiência vividas.

 

“Me emociono do inicio ao fim com as leituras dos textos que vem carregados de experiências de vários tipos de abusos, de amores não correspondidos, e a possibilidade de mulheres que nunca escreveram produzirem textos lindos e ajudar a curar as feridas da alma”, disse a professora.

 

O projeto tem dado tão certo que a partir desses encontros nasceu o Coletivo de Escrita direcionado apenas para mulheres, a idéia e  juntar os textos  feitos nos encontros em um livro a ser lançado aqui na cidade no ano que vem. As participantes já estão organizando um evento para popularizar a idéia do coletivo.
A oficina ocorrerá no dia  28 de Setembro das 14:00 às 17:00 h no Pólo UAB Imperatriz- Praça União, mais informações pelo  e-mail: samantamatos@hotmail.com