Ansiedade e insônia como consequências do isolamento social

As redes sociais representam forma de distração na pandemia. Foto: Vitória Castro.

Para a psicóloga Giovana Miranda é fundamental ficar atento à saúde emocional durante a pandemia

Vitória Castro

O isolamento provocado pela pandemia tem afetado diversas pessoas e, como consequência, a saúde emocional da população ficou abalada, gerando problemas como depressão e ansiedade. Para especialistas, é essencial ficar em alerta sobre os perigos que essas doenças causam à saúde neste período de reclusão social.

“A ansiedade gera vários distúrbios que causam nervosismo, medo, apreensão e preocupação. É uma reação que todo indivíduo experimenta diante de algumas situações do dia a dia. Algumas pessoas vivenciam esta reação, de forma mais frequente e intensa, que pode ser considerada patológica e que compromete a saúde emocional”, explica Giovana Miranda Lopes, 23 anos, psicóloga.

Guiberth Júnior Miranda Paiva, 23 anos, autônomo, relata os sintomas de ansiedade há pelo menos dois anos. Ele procurou ajuda no período da pandemia para iniciar o tratamento com medicação. “Dormir e ouvir música me ajudava a distrair já que eu não costumo sair e, por conta da pandemia, ficava cada vez mais em casa.”

Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) mostrou que o número de casos de ansiedade, estresse e depressão aumentaram no país com a pandemia. A pesquisa ouviu 1.460 pessoas em 23 estados.

“Eu sentia que por dentro eu estava morrendo, por fora estava viva, porque estava respirando”, lembra Herika de Almeida Silva, 30 anos, professora que em fevereiro foi diagnosticada com ansiedade. Herika não conseguia dormir, foram semanas de dor de cabeça e insônia. A professora decidiu procurar ajuda e iniciar o tratamento.

Herika relata que durante o isolamento ficou em um estado depressivo, pois além da quarentena, tinha terminado na época um relacionamento. O fato de não ter proximidade com outras pessoas provocou os problemas de saúde.

A psicóloga Giovana indica usar a imaginação, desviar a atenção dos sintomas, diminuir o ritmo da respiração e relaxar os músculos, assim como evitar o bombardeio de informações durante o isolamento. Os meios de comunicação também podem ajudar a aproximar das pessoas. Praticar jogos de tabuleiro, meditação, assistir filmes, ler livros e fazer terapia com um profissional são outras indicações para afastar a ansiedade.


Matéria produzida para a disciplina de Redação Jornalística, semestre 2020.1, com a orientação da profa. Yara Medeiros.

Leia Também