Repórteres: Ana Catharina Vale

 Layana Karine Silva

Fotografia: Arquivo

Durante muito tempo as mulheres assumiram a cultura do cabelo liso e alinhado como um único padrão de beleza mesmo em um país onde 70% da população tem cabelo cacheado ou crespo, segundo o Instituto Beleza Natural e a Universidade de Brasília (UnB). A transição capilar consiste em retirar toda a química do cabelo deixando que a textura natural dos fios apareça. Este processo de transição vem quebrando os padrões e dando as mulheres o poder de se assumirem cacheadas, crespas e onduladas.

Quem possui interesse em voltar aos cachos, é indispensável entender que o caminho não é fácil, mas que vale a pena. É um momento de aceitação, decisões, espera e até mesmo uma queda na autoestima.Estar disposta a enfrentar as opiniões alheias é essencial. A vontade de ter seu cabelo natural e sem danos tem que vir acima de disso.

Este período requer tempo, e pode ser um dos mais importantes, você tem que tomar múltiplas decisões, que variam da escolha de produtos corretos até cortes radicais. ‘‘Independente da escolha que elas fazem, de esperar mais ou menos tempo, o processo de transição envolve um balanço na autoestima da mulher, pois se ela espera muito tempo até que a parte natural cresça, ela precisa lidar com as várias texturas do cabelo: partes lisas e partes cacheadas… se torna difícil arrumar o cabelo para passeios, por exemplo, mas existem algumas opções para ajudar a arrumar o cabelo nesse momento’’, diz a cabelereira Letícia Silva de Souza.

Durante esse tempo, há opções para atravessar o processo com mais tranquilidade. Dentre elas, texturizações, receitas caseiras, acessórios, cortes e tranças. Mas, o mais importante de tudo é estar bem decidida. ‘‘Em relação a transição, o primeiro passo é a decisão. Porque a partir da decisão, você já vai ter uma noção do que vem. Do que você vai enfrentar em relação a opinião alheia”, conta a trancista Jacylene Alves Viana.

Partindo disto, o Imperatriz Notícias listou 10 dicas valiosas, de três cabelereiras especialistas da cidade,Letícia Hellen do Espaço viva Cacheada, Jacylene Viana do salão Crioullos Cabelo Bom e Leticia Silva do salão Solta a Juba, para quem está disposto a enfrentar este desafio. Confira.

 

  1. Decisão: Para assumir a textura natural dos fios, estar bem decidido e confiante é o começo de tudo. O processo de transição não é fácil, e requer muita paciência. Este é um momento em que a autoestima pode ficar abalada. Ao lado dessa decisão vem a aceitação da sua identidade natural. Sem ligar para comentários negativos, opiniões alheias. Se esse quesito está bem resolvido, os outros processos ficarão mais tranquilos.   
  2. Cronograma capilar: Os tratamentos são realizados de acordo com a necessidade de cada cabelo. Invista em receitas caseiras, óleos, cremes que ativem e hidratem os fios.‘‘O tratamento específico seria cronograma capilar. O cronograma é uma rotina de cuidados para os cabelos, com produtos livres de agentes agressivos para os fios. Seria hidratar, nutrir e reconstruir”, afirma Letícia Silva.O cronograma é uma maneira de tornar o cabelo mais resistente, e saudável.

É importante também que se faça o teste de porosidade, ele funciona como uma avaliação do fio,e identifica se o cabelo está precisando de hidratação, reconstrução ou nutrição. Muitas pessoas tem o pensamento errado de que o cabelo precisa apenas de hidratação. Porém em alguns cabelos é necessário também de nutrição, onde se repõe a massa do cabelo e em alguns casos mais graves, precisa de reconstrução, onde é devolvida a camada mais profunda do fio.

  1. Receitas caseiras: Uma boa dica são as receitas caseiras. Por serem naturais, elas não agridem os fios, e dão um resultado surpreendente. ‘Para ter o cabelo hidratado, você não precisa de dinheiro, precisa de tempo, porque tudo dá para fazer uma hidratação para o cacheado e para o crespo. Creme de leite, maionese, óleo de coco, banana amassada, babosa. Tudo isso é coisa que você passa no cabelo e te traz resultado’’, conta Jacylene Viana. Além disso, você pode fazer várias misturinhas, com creme e babosa, por exemplo, o cabelo responde bem, traz brilho e maciez.
  2. Texturização: “Cabelo é memória”, diz a especialista Leticia Hellen da Silva Costa.Quem está passando pela transição, e ainda está com cabelo sem definição, atexturização é uma verdadeira mão na roda. Com essa técnica você estimula os cachos nas partes lisas, e faz com que os fios ganhem curvatura e memorizem.Dentre elas dedoliss, fitagem,texturização com papel alumínio.A dica mais valiosa e simples é: passar creme, amassar o cabelo com as próprias mãos,de baixo para cima, isso ajuda no estímulo do cabelo.

O difusor é um aliado para esse momento. Ele seca o cabelo sem danificar os fios. A temperatura é adequada para cabelos mais frágeis. Existem alguns tipos de difusores que secam somente a raiz e há outros que secam o cabelo por inteiro. É uma dica para finalizar alguma texturização, caso você tenha pressa para ver o resultado da texturização.

  

  1. BC (Big chop):  Big Chop nada mais é do que o grande corte. É um momento de muita confiança, pois dependendo do tempo de transição, o cabelo pode ficar bem pequeno, pois ficará somente os novos fios. É indicado para quem quer se livrar de vez da química, e aderir um novo visual. ‘‘O corte adequado é feito de acordo com tamanho do cabelo de cada pessoa. As vezes dá para fazer long bob, corte em camadas, as vezes só dá mesmo para retirar as partes lisas’’, afirma Leticia Hellen.

 

  1. Crescimento: Nesse quesito crescimento, a grande dica é paciência. Cada cabelo leva um tempo para crescer, e durante a transição capilar, o processo pode ser demorado por conta dos fios antigos. Por isso é necessário um bom cuidado, um bom fortalecimento dos fios, para que ele cresça saudável. E não deixar que a vontade de querer que o cabelo cresça rápido seja maior que a vontade de trata-lo bem. No entanto se você optar por fazer o BC (Big Chop), aproveite bem o seu curtinho.

 

  1. Acessórios:  Os acessórios são diversos, e uma ótima ideia para quem gosta de dá uma incrementada no visual são os turbantes, ajudam a cobrir as partes indesejadas do cabelo, além de serem bem charmosos. As bandanas também são aceitas e ajudam nesse processo de crescimento, assim como laços, tiaras, coques. Abusar de brincos grandes, maquiagem também são dicas essenciais.

 

  1. Tranças:As tranças são uma opção para quem quer inovar, e mudar o visual durante a transição, ou até mesmo disfarçar a mistura de texturas que vão surgindo durante o processo. ‘‘Essa ideia de que trança quebra o cabelo, não quebra. A trança vai quebrar o cabelo que já está estragado, essa parte da química já é uma parte morta’’, conta a trancista Jacylene Viana. Além das tranças, podem ser usados, cabelos orgânicos, dreads, e o kanekalon, um tipo de um cabelo sintético.

 

  1. O que não fazer: As cabelereiras pontuam que neste período, não é indicado utilizar produtos com sulfatos, petarolados e parafina líquida. Pois podem agredir os fios mais ainda. A chapinha e o secador em muitos casos, podem tardar a transição. Não é aconselhado o uso, pois o calor de ambos pode danificar o cabelo, e impedindo que os fios ganhem curvatura. Muitas transitantes acreditam que não seja prejudicial fazer esses processos para “ajudar” na transição enquanto os cachos voltam. Mas bem diferente do que imagina a chapinha e a escova é muito prejudicial pois o calor em excesso também alisa os fios e resseca bastante, causa inclusive danos até maiores’’, diz a especialista em cachos Leticia Silva.

 

  1. Low Poo e No Poo: As técnicas Low Poo e No Poo foram desenvolvidas pela Lorrainy Massey dona da marca de produtos para cabelos Deva Curl e escritora do Best-seller “Manual para garotas cacheadas”. A técnica consiste em não usar produtos que tenham sulfato, petrolatos, silicone, óleo mineral, parafina e parabenos. Pois os shampoos que possuem esses componentes ressacam o fio e tiram a oleosidade natural (que é boa para os fios) do couro cabeludo. Co Wash uma vertente do Low Poo e No Poo que consiste em substituir o shampoo por um condicionador leve que não contenham os itens acima (parabenos, petrolatos e sulfato). Essa técnica é indicada para quem tem cabelos mais ressecado e de curvaturas mais fechadas, estilo 3a, 3b e 3c.

 

Serviço:

Para quem seinteressar, localizamos três salões na cidade de Imperatrizque oferecem tratamentos específicos para transição capilar:

Espaço Viva Cacheada – Leticia Hellen

Endereço: Rua Dois Irmãos, Nº 216 – Vila Lobão

Salão Crioullos Cabelo Bom – Jacylene Viana

Endereço: Rua Luís Domingues, Nº 1410 – Centro

Salão Solta a Juba – Leticia Silva

Endereço: Residencial 5 estrelas – Próximo a Facimp