Equipamento de proteção e triagem são precauções essenciais. Foto: Vitória Lima.

Consultórios odontológicos se adaptam para minimizar riscos de contaminação pela Covid-19

Nayra Moraes

Frente ao cenário de combate à Covid-19, os profissionais da área odontológica intensificaram os cuidados para manter a saúde dos médicos, funcionários e pacientes. “O consultório sempre teve a questão da higienização e esterilização, toda vida teve, só que agora foram redobrados”, conta a recepcionista da Clínica Sorriso Center, Vitória Lima.

Os órgãos de saúde e sanitário propuseram medidas que auxiliam os cirurgiões-dentistas, agentes públicos e privados a tomarem decisões clínicas que possam minimizar a propagação da doença.

A Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB) e o Conselho Federal de Odontologia (CFO) destacaram em seu guia que, antes de iniciar a consulta, deve-se evitar atender pacientes suspeitos de serem portadores do vírus. Com isso, muitas clínicas optam pela triagem, feita por telefone ou presencialmente.

Vitória explica que os agendamentos são realizados somente por telefone. Na triagem, são feitas diversas perguntas para considerar se o paciente é apto ou não à consulta. “Dentistas não atendem pacientes com sintomas do vírus”, afirma. Se apresentam sintomas são orientados a fazer isolamento domiciliar imediato.

Na clínica Odonto Vida, a triagem é realizada presencialmente, com aferição da temperatura corporal do paciente e acompanhante. Beatriz Galheiro, recepcionista da clínica, informa que se o paciente apresenta febre deve aguardar alguns dias para ser apto à consulta.

Os únicos incômodos foram com pacientes que implicaram com o aparelho de aferição da temperatura. Conforme o relato da recepcionista, uma convicção atribuída a alguma informação falsa disseminada nas redes. “Tinha paciente que não deixava medir a temperatura, diziam que aquilo ali fazia mal para saúde, porque tinha uma nota dizendo que fazia mal”.

Daniela Silva foi recentemente ao dentista e afirma que sentiu medo em sua primeira consulta. “Confesso que estava com muito medo, até suava de nervosa, mas vi todos os cuidados e relaxei”.

Mesmo que as clínicas optem por não fornecer serviços a pacientes com caso confirmado de Covid-19, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reitera em seu guia a “necessidade de seguir as medidas para prevenção de infecções que se aplicam a todo paciente, independentemente do status de infecção – suspeita ou confirmada”.

Matéria produzida para a disciplina de Redação Jornalística, semestre 2020.1, com a orientação da profa. Yara Medeiros.