Casos de dengue no Brasil aumentaram 264,1% nas primeiras 11 semanas de 2019, se comparado ao mesmo período do ano passado,  de acordo com dados do Ministério da Saúde. O primeiro boletim epidemiológico do ano aponta um número crescente de casos prováveis de dengue no país, que passaram de 62.904 mil em 2018, para 229.064 mil no ano de 2019. A incidência é de 109,9 casos/100 mil habitantes até 16 de março deste ano.

No Maranhão o aumento foi de 37,9%, foram notificados 749 casos da doença no primeiro trimestre deste ano. Na mesma época de 2018 foram registrados 543 casos. O estado confirmou um óbito em decorrência da doença neste ano.

De acordo com o secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Wanderson Kleber, apesar dos dados alarmantes a situação ainda não é considerada como epidemia. O último ano que ocorreu epidemia no país em 2016, foram registrados 857.344 casos da doença no mesmo período.

Contudo, ele afirma que é preciso intensificar as ações de combate ao Aedes aegypti nome científico de um mosquito ou pernilongo que transmite a dengue, febre amarela urbana, além da zika e da chikungunya-  para que o número de casos de dengue não continue aumentando no país.

 

O ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti compreende quatro fases: ovo, larva, pupa e adulto. Os ovos são depositados em condições adequadas, ou seja, em lugares quentes e úmidos, preferencialmente depositados em lugares próximos a linha d’água, em recipientes como latas e garrafas vazias, pneus, calhas, caixas d’água descobertas, entre outros .

 

 

O que a população deve fazer para combater o mosquito Aedes Aegypti?

A principal ação que a população tem é se informar, conscientizar e evitar água parada em qualquer local em que ela possa se acumular, em qualquer época do ano.

As principais medidas de prevenção e combate ao Aedes aegypti são:

  • Manter bem tampado tonéis, caixas e barris de água;
  • Lavar semanalmente com água e sabão tanques utilizados para armazenar água;
  • Manter caixas d’agua bem fechadas;
  • Remover galhos e folhas de calhas;
  • Não deixar água acumulada sobre a laje;
  • Encher pratinhos de vasos com areia até a borda ou lavá-los uma vez por semana;
  • Trocar água dos vasos e plantas aquáticas uma vez por semana;
  • Colocar lixos em sacos plásticos em lixeiras fechadas;
  • Fechar bem os sacos de lixo e não deixar ao alcance de animais;
  • Manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo;
  • Acondicionar pneus em locais cobertos;
  • Fazer sempre manutenção de piscinas;
  • Tampar ralos;
  • Colocar areia nos cacos de vidro de muros ou cimento;
  • Não deixar água acumulada em folhas secas e tampinhas de garrafas;
  • Vasos sanitários externos devem ser tampados e verificados semanalmente;
  • Limpar sempre a bandeja do ar condicionado;
  • Lonas para cobrir materiais de construção devem estar sempre bem esticadas para não acumular água;
  • Catar sacos plásticos e lixo do quintal.

Essas ações devem ser realizadas durante o ano inteiro, especialmente no verão, que é a época mais oportuna para a proliferação do mosquito.

Fonte: Ministério da Saúde