As praças públicas tem sido mais uma opção para quem deseja fazer atividades físicas ao ar livre. Fazer exercícios físicos em locais abertos requer cuidados iniciais com eventuais doenças cardíacas pré-existentes e eventuais  sinais de cansaço excessivo ao começar a prática. Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) estima-se que 17,7 milhões de pessoas morreram por doenças cardiovasculares em 2015, e isso representa 31% de todas as mortes em nível global.

Considerando os cuidados iniciais necessários para começar a atividade física, é importante ressaltar que o Ministério da Saúde (MS) recomenda a prática de atividade física por trazer benefícios para a saúde e atuar na prevenção de muitas doenças como a redução do risco de hipertensão, doenças cardíacas, acidente vascular cerebral, diabetes, câncer de mama e de cólon, depressão e aumenta o equilíbrio atuando na prevenção de quedas em geral, além disso possui efeitos positivos para a mente e o corpo.

Para quem procura ter qualidade de vida e não tem tantos recursos financeiros,  uma boa dica são as praças públicas ou locais públicos, de preferência as que possuem aparelhos para a prática de exercícios. A dona de casa Zélia Nascimento, 63, não têm dúvidas de como a sua saúde melhorou após iniciar as atividades físicas e também já atua como influenciadora no seu círculo social: “Com uma alimentação saudável e fazendo minhas caminhadas junto com os exercícios aqui na praça, pude notar que minha saúde melhorou, já não sinto mais insônia e também não me canso com facilidade e sempre chamo alguém para fazer as atividades físicas comigo”.

Praticantes de atividade física na praça do “Fiqueninho”.

Mas antes de iniciar qualquer prática é importante fazer uma avaliação médica, pois o cuidado em relação a problemas de saúde pré-existentes como os desvios ósseos, problemas cardíacos ou respiratórios podem determinar condições específicas para a pessoa, e para que a prática dos exercícios seja realizada de maneira segura, deve ser sempre iniciada após a orientação de um médico como alerta o professor e personal Moizenam Ferreira, 40, “não basta somente fazer exercício físicos, as pessoas precisam passar por um especialista da saúde como o médico para iniciar a prática”.

Com o interesse dos adeptos da vida fitness o poder público municipal começa a incluir aparelhos de ginástica nas vias públicas como meio de disseminar essa cultura pela saúde. Um dos pontos em Imperatriz que oferece equipamentos à disposição do público é  no Complexo Esportivo Barjonas Lobão, o Fiqueninho, próxima a praça Mary de Pinho,  que atualmente conta com aparelhos para a realização da prática dos exercícios e através dessa comodidade que a dona de casa Monalisa Silva realiza suas atividades físicas: “Uma iniciativa muito boa, as praças com equipamentos. Eu já ando de bicicleta e sempre que posso venho aqui, além de me exercitar, revejo amigos e também fico apreciando as crianças brincando. Não pago nada e cuido da saúde que é muito importante”. A única queixa por parte da dona de casa é sobre a ausência de um profissional da área para orientá-la na realização dos exercícios: “Seria bem melhor se houvesse um personal  ensinando como usar os equipamentos’’.

Para a Organização Mundial da Saúde (OMS) é são necessários 150 minutos semanais de atividade física, leve ou moderada, por cerca de 20 minutos por dia, ou, pelo menos, 75 minutos de exercícios de maior intensidade por semana, cerca de 10 minutos por dia. O médico Dr. Draúzio Varella incentiva a prática e relata sua própria experiência com os exercícios físicos no vídeo abaixo.