A Polícia Civil de Imperatriz receberá nesta sexta-feira (20), pela primeira vez, um cão farejador para auxílio na busca por drogas em operações deflagradas pelo órgão na região. A entrega do animal é simbólica, já que ele ainda está finalizando os treinamentos, e será realizada durante a cerimônia de abertura da feira pet, que acontece no Imperial Shopping e se estende de 20 a 22 de setembro. O evento contará ainda com uma vasta programação, workshops, desfile pet e exposições de produtos em geral.

Cão farejador é o primeiro de Imperatriz

O cão farejador é uma ferramenta muito importante para a polícia no combate ao tráfico de drogas.  O delegado regional da Polícia Civil, Ederson Martins, representará a instituição durante a solenidade, e falou sobre a aquisição do animal: “Otimiza muito o trabalho de buscas, sendo que cães vão localizar com maior facilidade a droga até mesmo enterrada, ou seja, numa busca em que poderia durar horas pode ser feita em minutos com uma efetividade de resultado 100%”.

Pastor Alemão, Pastor Holandês e Pastor Belga são algumas das raças mais populares entre os cães policiais. Além disso, é comum o uso destes animais em resgates e rastreamento de suspeitos em algumas ocasiões. Na tragédia de Brumadinho-MG em janeiro deste ano, quando uma barragem de rejeitos da Vale se rompeu e devastou a região, 64 animais vindos de todo o país ajudaram nas buscas por corpos e vítimas desaparecidas. No entanto o delegado ressalta que a principal finalidade do cão será o combate às drogas: “Este é um cão de fato policial, finalidade drogas, podendo ser treinado também para armas e munições. A localização de vítimas é outra linha de trabalho, poderia também haver este treinamento, mas é bem mais demorado e não é recomendado essa dupla função ou duplo emprego ao cão pois pode não ser tão efetivo”.

O olfato é o sentido mais desenvolvido nos cães; enquanto os seres humanos contam com cerca de 5 milhões de células olfativas em seu corpo, os cães possuem uma média de 200 milhões destas células em sua estrutura, sendo que em alguns casos, como no pastor alemão, esse número pode atingir até 220 milhões.

No Brasil, até maio de 2019 foram apreendidos 39,3 toneladas de cocaína, 48,7 de maconha, 172.806 comprimidos de ecstasy e 7.792 selos de LSD.