Paróquias de Imperatriz adotam medidas para evitar proliferação do Coronavírus

No dia 1 de março, foi divulgada em todas as paróquias de Imperatriz, uma carta do bispo da Diocese, Dom Vilsom Basso, alertando para a prevenção do Coronavirus disease (COVID-19). Entre as instruções, estão o evitar apertos de mãos durante as acolhidas, não dar as mãos nas orações, omitir os “abraços da paz”, que são comuns nas celebrações, e ainda quanto à distribuição da hóstia, que deverá ser feita diretamente nas mãos do fiel.

Segundo o pároco da Catedral de Fátima, Eliezer Paiva, estas medidas são principalmente de prevenção, e por isso devem ser tomadas desde o começo de seu surgimento. “Toda medida de saúde, toda medida sanitária, ela tem que ser tomada exatamente cedo. Toda saúde ela tem que ser antes de tudo preventiva e não paliativa. Qualquer resquício, qualquer indício de uma epidemia, ou de uma pandemia, por exemplo, a carta do bispo é de 10 dias atrás, e hoje, curiosamente a OMS declarou o Coronavírus como uma pandemia, ou seja, vai ser difundida em boa parte dos países do mundo.”, afirma Paiva.

Ele conta que em países como a Itália, a atitude de prevenção surgiu primeiro da Igreja, para que depois o Estado viesse a tomar as devidas precauções, e que com a diocese de Imperatriz não deve ser diferente. “A postura do bispo é fazer uma apologia ao processo preventivo”, conta o pároco.

O pároco afirma ainda, que a recepção dos fiéis, quanto à carta e as mudanças implantadas na igreja foi positiva, porém as pessoas ainda não estão indiferentes em relação à ameaça do vírus. “Qualquer tipo de medida que possa cercear o cotidiano das pessoas, as pessoas sempre vão olhar com desconfiança, porque é algo que não toca a elas, mas no dia que passa a tocar elas se despertam”, assegura Paiva.

Para a dona de casa e fiel católica Luzinete Costa, a carta de Dom Vilsom incentiva as pessoas a se preocuparem com o ambiente ao seu redor, e até mesmo reforçar uma maior consciência sobre a ameaça do vírus. “É importante esta prevenção ainda que nós saibamos que aqui no Maranhão nós não temos nenhum caso do Coronavírus, parece estar distante de nós, mas o mesmo tempo a gente sabe que pode estar tão perto, porque muitas pessoas estão viajando. E eu tenho seguido as orientações que o dom Vilsom nos propôs que é não dar a paz para as pessoas que estão do nosso lado, buscar orientar as pessoas também para que não façam isso. E receber a comunhão nas mãos; E sempre com esse cuidado de estar lavando as mãos o tempo todo, para que a gente não se contamine e também não contamine outras pessoas.”, afirma a dona de casa.

Nesta última quarta-feira (11), a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que a epidemia de Coronavírus já é oficialmente uma “pandemia”, ou seja, a doença causada pelo COVID-19 está sendo disseminada pelos países de todo o mundo. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, até o dia 11 de março já se registraram 52 casos confirmados da doença.

Leia Também