O Maranhão registrou 2.180 homicídios apenas em 2017. É o que revela o Atlas da violência, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, publicado nesta quarta-feira (5).

Os dados do Atlas são do Sistema de Informações sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde e a pesquisa analisa a taxa de homicídios entre os anos de 2007 e 2017 em todo o brasil.

No maranhão o índice de assassinato subiu drasticamente. Em 2007 essa taxa era de apenas 18%, cerca de 1.127 mortes por ano, já em 2017 o índice registrava 31,1%, 2.180 mortes. A variação de homicídios entre 2007 a 2017 em todo o estado foi de 73,1%.

No Brasil foram registrados 65.602 homicídios em 2017, uma variação de 36,1% entre 2007 a 2017 e um aumento de 4,9% em relação ao ano de 2016, o que equivale a uma taxa de aproximadamente 31,6 mortes para cada cem mil habitantes.

Maioria dos homicídios em 2017 foram cometidos por armas de fogo – Foto: Pixabay

Para o coordenador da pesquisa, Daniel Cerqueira, trata-se do maior nível histórico de letalidade no país. “O que está acontecendo no Brasil é algo realmente estonteante e fora dos padrões mundiais. Poucos países se aproximam do Brasil em termos de taxa de homicídio”, afirma Cerqueira.

Os dados ainda revelam que 7 estados do norte e nordeste tiveram um aumento de 10% no número de violência, dentre eles o estado do Maranhão que está em quinto lugar no ranking.

Segundo o Atlas o alto número de homicídios nas regiões norte e nordeste se dá pelas rixas entre as facções existentes.  “Possivelmente, o forte crescimento da letalidade nas regiões Norte e Nordeste, nos últimos dois anos, tenha sido influenciado pela guerra de facções criminosas deflagrada entre junho e julho de 2016 entre os dois maiores grupos de narcotraficantes do país, o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho (CV); e seus aliados regionais – principalmente as facções denominadas como Família do Norte, Guardiões do Estado, Okaida, Estados Unidos e Sindicato do Crime”.

Perfil das vítimas

Além do número de homicídios presentes na pesquisa, o estudo também trata do perfil das pessoas que sofrem com esse tipo de violência.

A violência letal acomete principalmente a população jovem. 59,1% do total de óbitos são homens entre 15 a 29 anos de idade. No Maranhão o número de homicídios de homens jovens subiu de 592 mortes em 2007 para 1.063 mortes em 2017, um aumento de 79,6%.

Em relação a distinção racial a população negra no país é a mais atingida com este tipo de crime. Houve um aumento de 62,3% entre os anos de 2007 a 2017 no Brasil. No Maranhão o número de homicídios de negros subiu de 962 em 2007 para 1.968 em 2017, um aumento de 104,6% na taxa de violência contra os negros.