Pomar Comunitário do Santa Inês

História do Pomar Comunitário

“Se tem um lugar bom, a gente pode deixar ele melhor, agora se tem um lugar ruim, eu acho mais fácil deixar ele bom. ”

Ivair Bertolla, criador do Pomar

Ivair Bertolla, criador e responsável pelo pomar, no momento da foto ele estava regando algumas plantas. FOTO: Patricia Araújo.

Cheio de árvores frutíferas, alguns cactos e flores, o local é uma área verde que proporciona às pessoas um contato mais direto com a natureza. FOTO: Patricia Araújo.

Com a voluntariedade do Ivair, ele cedeu o espaço e continua a plantar várias árvores frutíferas no Pomar Comunitário. FOTO: Patricia Araújo.

Uma parte da rotina de seu Ivair é cuidar do pomar, um espaço bonito e agradável que a cada dia que passa se torna algo melhor para os moradores do bairro. FOTO: Patricia Araújo. 

 

Ainda do carro, no dia 24 de junho de 2019, avistamos a placa que nos avisava da nossa chegada, seguida de árvores já no começo da avenida: Pomar Comunitário do Santa Inês. Enquanto nos aproximamos do local, algumas senhoras conversavam da porta da Igreja Matriz Santa Inês e os moradores começavam a se preparar para fazer caminhada. Não foi difícil acharmos Ivair, ele estava regando algumas plantas, e logo as pessoas nos falaram que ele era o responsável pelo local.

Já sabendo da nossa visita, o homem nos recebeu e imediatamente nos convidou a conhecer o pomar, cheio de árvores frutíferas, alguns cactos e flores. Repleto de condomínios ao seu redor, o local é uma área verde que proporciona às pessoas um contato mais direto com a natureza.

Logo no começo da entrevista, ele nos contou como surgiu a ideia de criar o pomar. Após chegar em Imperatriz com sua esposa, em 2012, passou por uma placa na qual estava escrito “Portal da Amazônia”. Quando pensamos em Amazônia, imaginamos um local em que a natureza predomina, mas Ivair notou a ausência desse ambiente natural na cidade.

Ele deixava claro a forma como espaços servindo de lixões, onde também eram realizadas queimadas, lhe indignaram. “Fogo no verão, e máquina no inverno, para limpar tudo. ” Disse, ainda no começo da entrevista.

 

 

 

“Não dá para ficar inerte, não dá para ficar olhando para as coisas e não fazer nada. ”

Ivair Bertolla, criador do Pomar

Vídeo-depoimento: História, parte I

Filmagem: Patrícia Araújo| Edição: Helyh Gomes

Em 2016, ao encontrar um terreno que servia como depósito de lixo, próximo de onde mora, ele decidiu arboriza-lo, que posteriormente se transformou no lindo pomar comunitário. 

Tudo começou com o plantio de algumas árvores, sem intenção alguma, e houveram certos moradores que plantaram também. Com o tempo, todos perceberam que aquele espaço podia ser utilizado, ou seja, melhor utilizado.

No início, eram somente Ivair e a esposa, que tiravam dinheiro do bolso para que fosse possível realizar a transformação e torná-lo o que é hoje, mas, pouco a pouco, a comunidade local se atentou para o homem simples que trabalhava sem receber absolutamente nada em troca.

Ivair Bertolla vem tentando uma negociação entre o poder público e o privado desde 2016, quando descobriu o terreno e começou o projeto do pomar. Ele pretendia transformar aquele espaço, até a rotatória, em um espaço público, encaixando o pomar comunitário na lei. Abriu um abaixo assinado online, ainda disponível, para que as pessoas apoiassem o projeto. Apesar de tudo, há um processo em andamento para transformar o local em uma área verde dos loteamentos, já que o espaço é cercado por condomínios.

 

 

“Não quero escolher o nome nem nada, eu só queria que duas palavras fizessem parte do nome: ‘pomar’ e ‘comunitário’. ”

Ivair Bertolla, criador do Pomar

Ivair mencionava várias vezes que aquele espaço não é somente dele, é de todos, e qualquer um poderia usufruir do local. Nos ofereceu frutas como cajá-manga e acerola, e nos contou que passeios de escola, outras entrevistas e até piqueniques já ocorreram ali. Conta também que ele só trabalha com o que é natural, ou seja, não utiliza agrotóxicos nem venenos, e procura resolver os problemas apenas com uma picareta.

Perguntamos sobre a ajuda que os moradores locais oferecem, e Ivair se alegra ao contar que, apesar de começar o projeto somente com sua esposa, a comunidade se dispôs a ajudar. Ele conta que um vizinho, Marcelo Fonseca, ao notar seu esforço para carregar água todos os dias utilizando um simples carrinho de mão, emprestou a picape e o combustível para levar a água e regar todas as plantas, sempre que fosse necessário.

 

Vídeo-depoimento: História, parte II

Filmagem: Patrícia Araújo| Edição: Helyh Gomes

O vizinho Marcelo Fonseca é somente um exemplo de várias outras doações de vizinhos, como uma enorme caixa d’água, uma bomba de água, os blocos que enfeitam a região e alguns instrumentos que facilitariam o trabalho com o pomar. Também colocaram uma bomba movida a energia solar, processo que Ivair explica, nos mostrando a mangueira que despeja água, do poço, através da energia renovável. Tantos já ajudaram no projeto, que Ivair não conseguiu falar quantos ao certo foram. A comunidade se mantém unida por uma causa.

Galeria

Galeria de Fotos do local onde é o Pomar Comunitário

Fotos: Patricia Araújo, Silvana Costa

Galeria de Fotos das Plantas do Pomar Comunitário

Fotos: Helyh Gomes

Comunidade 

“O pomar é uma inciativa do Ivair com a concessão do dono da terra que é o seu João Jacó.”

Raimundo Nonato, pastor, morador do bairro

João Jacó, dono do terreno, tinha outros planos para o local, mas com a voluntariedade de Ivair, ele cedeu o espaço. 

Enquanto estávamos no pomar, ficou perceptível o vínculo que as pessoas criaram com o ambiente. Alguns faziam caminhada, um homem chegou e entregou uma muda a Ivair, uma senhora pediu uma plantinha (destaque para a frase de Ivair no momento: “Quem tem sobrando trás, quem não tem, leva”.), crianças brincavam e saborearam jabuticaba e cajá-manga.

“Eu sempre gostei da natureza, mas nunca tive a iniciativa que Ivair teve de sair da minha zona de conforto e fazer algo.”

Litza Felix, empresária, moradora do bairro

Um ambiente de união e solidariedade se formou, mudando a rotina e o modo de pensar dos moradores, despertando o que há de bonito no ser humano: a bondade, o amor pela natureza e a vontade de ajudar, de fazer parte de algo grande que pode mudar, aos poucos, a realidade. Além disso, o projeto do Pomar mostra que se cada um fizer sua parte na construção de um mundo em que o meio ambiente é valorizado, o resultado será cada vez melhor.

“Quando eu observo aquele pomar, aquelas árvores, tudo tão bem cuidado, a impressão que eu tenho do antes e depois, é do que é o amor de alguém por uma causa .”

Suzana Veroneze, dona de casa, moradora do bairro

Suzana, durante toda a entrevista, demonstra a sua admiração por Ivair e pelo projeto do pomar. Juntos, a comunidade organiza rifas e doações, participam ativamente da construção do local, sem receber nada em troca.

As pessoas doam blocos, mudas, bomba de água, prêmios para a realização de rifas. Se uniram para cuidar de algo que é de todos para todos.  

 

Vídeo-depoimento: Comunidade

Filmagem: Patrícia Araújo| Roteirização: Jakeline Bernardo, Silvana Costa| Edição: Helyh Gomes

Localização do Pomar

Video com imagens do Local

Imagens de Drone: Rodrigo Moraes | Filmagem e Edição: Helyh Gomes

.

Ao visitar o Pomar comunitário e entrevistar seu Ivair e a comunidade, que juntos, cuidam do local sem receber nada em troca, nós aprendemos muito com os depoimentos de cada um, a história por trás do projeto e a forma como todos evoluíram junto com o local. Os moradores se uniram para cuidar de algo que seria para todos, através de doações, rifas e vários outros meios, um ajudando o outro a transformar o espaço e a superar as dificuldades. Provamos algumas frutas, conhecemos pessoas incríveis e fomos embora com uma experiência e tanto.

|Jakeline Bernado|

CRISTIANE AGUIAR

CRISTIANE AGUIAR

REPÓRTER

HELYH GOMES

HELYH GOMES

DIAGRAMADORA, EDITORA, FOTOGRAFA

JAKELINE BERNARDO

JAKELINE BERNARDO

REPORTÉR, ROTEIRISTA

PATRICIA ARAÚJO

PATRICIA ARAÚJO

FOTOGRAFA

SILVANA COSTA

SILVANA COSTA

FOTOGRAFA, ROTEIRISTA