Mercado do Peixe

Abandono após a reforma

A história do mercado do peixe de Imperatriz:

Depois de 15 anos de espera por uma reforma, sofre com o abandono

Texto e fotos: Luciana Bastos

A cidade de Imperatriz e privilegiada com a maior bacia hidrográfica inteiramente brasileira é a terceira do Brasil em potencial hidrelétrico. O rio Tocantins e o principal rio dessa bacia, nascendo em Goiás, atravessando os estados do Maranhão Tocantins e Pará, navegável em quase toda a sua extensão e abundante em biodiversidade e de espécies de peixes. Mas, somente em 1978, os pescadores da região que viviam exclusivamente da pesca no rio,se uniram para formar uma cooperativa, assim, fugiriam da exploração dos “marreteiros” que e o mesmo que atravessadores que estabelecia por conta própria o valor do pescado, deixando os pescadores no prejuízo, reivindicariam uma aposentadoria digna e implantação de um mercado para comercializar sua produção.

Depois de inúmeras reuniões onde o número de pescadores só aumentava, no dia 30 de outubro, no auditório do INSS, com a presença do engenheiro de pesca Mário Bezerril, presidente da Federação das Colônias de Pescadores do Maranhão, foi fundada a Colônia de Pesca Z-29 de Imperatriz. Atualmente essa colônia tem cerca de 700 pescadores da região, que abrange São Pedro da Água Branca a Montes Altos, e distribuem seus pescados aqui. 

O mercado do peixe funciona na Avenida Beira Rio desde então de forma precária, com improvisos dos seus associados. Com muitas dificuldades de manter os espaço e condições sanitárias desfavoráveis, o mercado do peixe foi desativado, depois de mais de 15 anos fechado, funcionando apenas um escritório no meio dos escombros para dar algum apoio e informações a seus pescadores, no dia 15 de setembro de 2018, o mercado do peixe reabre suas portas, agora com 15 boxes, sala de reuniões, auditórios, dois laboratórios de informática, cabine para transporte de pessoa com deficiência, duas salas comerciais, uma sala de administração e 3 banheiros sendo um adaptado para pessoa com deficiência é com promessa de instalação de maquinário para fabricação de gelo no próprio local que até hoje não foi concluída. Esta obra foi financiada em R$ 2,200 milhões de reais, sendo R$ 200 mil financiados pela prefeitura municipal de Imperatriz e o restante pelo Governo Federal através do Ministério da Pesca. O  potencial energético instalado no rio Tocantins é superior a 10 500 megawatts, através de sete Usinas Hidrelétricas, porem as três que mais impactam a região que circunda a cidade de Imperatriz são :Usina Hidrelétrica de Serra da mesa, no alto Tocantins em Goiás; Usina Hidrelétrica de Tucuruí localizada no sul do Pará, é a segunda maior do Brasil, com doze turbinas  e a que mais impacta nossa cidade e mais recente, a Usina Hidrelétrica de Estreito.

Inaugurada em 2012, a Hidrelétrica de Estreito teve um efeito negativo na pesca artesanal do Tocantins e mudanças consideráveis no fluxo das águas já que seu período de seca foi alterado, onde quem ganha são os freqüentadores das praias as suas margens.  Por este motivo, o pescado que e vendido em Imperatriz, não vem da nossa região e sim de outros estados, principalmente do estado do Pará, o que encarece o pescado.

Atualmente somente três boxes no Mercado do Peixe e ocupado, funcionando todos os dias das cinco da manha a uma da tarde. É possível encontrar peixes de água doce, salgada e de criatórios, camarão entre outros frutos do mar.

Outro fator que contribui para o “abandono” dos pescadores ao mercado do peixe, segundo Roberta Castro Dourado, foi a demora para entregarem o mercado, os pescadores ficaram no meio da rua, sem ter onde atender seus clientes e armazenar produtos. Com tantas dificuldades e prazos cada vez mais prolongados, muitos foram desistindo da profissão ou começaram a vender em outros ambientes com as feiras livres da cidade, sem contar os que faleceram enquanto esperava.

Roberta Castro Dourado, mais conhecida com Roberta é referencia no fornecimento de pescado da cidade, com clientes antigos e atende suas encomendas até por telefone. Ela e uma das mais antigas cooperadas. Dos 41 anos de fundação do mercado do peixe de, 39 anos foi com sua participação, criou seus filhos com fruto deste trabalho árduo que começa na madrugada recebendo o pescado e se adentra ao logo do dia. Agora tem também sua filha para encarar esta jornada exaustiva, seu Box e do lado da mãe, onde vende frutos do mar.

Esta e a historia do mercado do peixe de imperatriz, um local emblemático, ates, muito freqüentado pelos imperatrizenses, principalmente aos domingos. Hoje, seu prédio bonito, todo novinho, mas depois de 15 anos de desativado, os clientes se fidelizaram em outros ambientes em busca do seu peixe de domingo. Timidamente as pessoas voltam a freqüentar esta ambiente que e característico da nossa cidade. Localizado no principal porto turístico da cidade, as margens do nosso majestoso Tocantins, que ajuda na sobrevivência de tantas pessoas. 

Galeria de fotos