ESTÁDIO FREI EPIFÂNIO D’ABADIA

Ritos de emoção e fé

História

O estádio foi inaugurado em 30 de janeiro de 1966 e leva o nome de um frei italiano apaixonado pelo futebol que além de suas práticas eucarísticas promovia também a pratica do esporte na cidade. Assim sendo, ganhou a rendida homenagem por seus trabalhos e esforços junto a comunidade com seu nome gravado em uma das praças mais conhecida da cidade.

O Frei Epifânio é a casa da Sociedade Imperatriz de Desportes, ou simplesmente Cavalo de Aço, o principal time de futebol da região. O estádio passou por reformas em 2008 e 2010, hoje ele tem capacidade para 10 mil pessoas e segundo o Sisbrace, Sistema Brasileiro de Classificação de Estádios do Ministério do Esporte, que avalia requisitos como segurança, conforto, acessibilidade e vigilância sanitária dos estádios nacionais e classifica com “bolas”, uma espécie de “estrela” como acontece com hotéis, o Frei Epifânio está classificado com “3 bolas” ficando à frente de estádios de importante relevância, como Estádio do Café em Londrina – PR, Rei Pelé em Maceió – AL, Moisés Lucarelli em Campinas – SP e Barradão em Salvador – BA .

Além de receber importantes eventos esportivos regionais e nacionais, o estádio também recebe outros eventos culturais, como o já tradicional evento da igreja católica do Corpus Christi. Essa característica que se assemelha aos novos conceitos de Arena, o estádio como um lugar além da prática esportiva, faz do Frei Epifânio uma praça multicultural tornando-o um dos pontos relevantes não só da cidade, mas também do estado.

Análise Antropológica

O Estádio Frei Epifânio D’Abadia, foi inaugurado em 1966 e dado o nome de Frei Epifânio para homenagear um padre apreciador do futebol. O frei foi idealizador de algumas igrejas e jogava de batina no campo, no qual hoje, é o estádio da região. Desde 1966 o estádio veio ganhando formas e obtendo mais estruturas. Hoje, o time em que o padre jogava, Cavalo de Aço, possui um cenário espaçoso e confortável para competir com seus adversários com uma vibração intensa de uma grande torcida. A questão é: Será que todos os que frequentam o local, conhecem a história por trás de uma obra tão bonita? A resposta é não. Por meio de algumas entrevistas, algumas pessoas não conseguiram falar a respeito do estádio.

No evento de Corpus Christi, programação que ocorre todos os anos na região, em que os fiéis se reúnem para celebrar a Eucaristia, no estádio Frei Epifânio, alguns religiosos falaram a respeito do padre e disseram ser alguém importante, uma vez que todos se aglomeravam em um local homenageado a ele e que na história ele tem seu destaque. Porém, uma outra pesquisa feita no mesmo local, em dia de jogo, as respostas foram diferentes. Na segunda-feira, 24 de junho de 2019, o time em que o padre já foi integrante, Cavalo de Aço, jogou contra Sampaio (time de São Luís) e durante o espetáculo, foi analisada a torcida.

Fazendo uma comparação entre os dois eventos, é notório ver que as pessoas gostam do lugar e principalmente do evento que acontece no lugar. E pode-se observar que durante o jogo, as pessoas praticam fé e seus corações vibram a cada gol realizado, e por mais que não saibam da história do estádio, eles, assim como o padre, apreciam muito do esporte. E também, torcem com convicção.  Os dois momentos são marcantes e a cada ano, existe algo novo para ser sentido. O olhar está voltado para a importância que os dois momentos têm para cada público. Não se refere somente ao saber da história em si, mas os dois acontecimentos estão ligados diretamente a elas e, claro, da para professar a fé e torcer com fé no Estádio Frei Epifânio D’Abadia.

Curiosidades

O frei que dá nome ao estádio era um apaixonado por futebol, mas como não podia tirar a batina para jogar jogava com ela até receber permissão da igreja católica para poder jogar de calção. Era uma figura no mínimo excêntrica, correndo na ponta-esquerda com sua vestimenta longa e suas tradicionais chuteiras vermelhas.

Em 2010 a grafia usual “D’Abadia”, foi mudada oficialmente para “da Badia”. A justificava do relator do projeto de lei que mudaria o nome do local, o então vereador Edmilson Sanches, é de que o nome correto da cidade natal do frei na Itália é Badia Calavena e não Abadia. Ainda assim a grafia “errada” se popularizou e até mesmo sites como o da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), por exemplo, ainda exibem o nome dado na inauguração.

O primeiro evento internacional do estádio foi a partida de futebol entre o combinado Imperatriz/Jv Lideral, denominado “Imperial”, contra o tradicional e multicampeão Peñarol do Uruguai. O jogo ocorreu em 13 de abril de 2010 e terminou com a vitória do time local por 2×1. A partida ainda contou com a presença de Marcelinho Carioca de passagens marcantes por Corinthians, Flamengo, Vasco e Seleção Brasileira, que atuou pelo time imperatrizense.

Localização

R. Rui Barbosa, 301 – Centro, Imperatriz – MA, 65900-440

Expediente

Bruno Santos

Bruno Santos

Editor e Líder Supremo da Turma de Webjornalismo

Ingrid Gualberto

Ingrid Gualberto

Repórter

Thalita Galvão

Thalita Galvão

Repórter

Deborah Costa

Deborah Costa

Fotos

Ruthielle Barrozo

Ruthielle Barrozo

Fotos