Texto de Leide Mayara

Fotos: Divulgação e acervo pessoal da entrevistada

"Muita gente acha que quanto mais se relacionar, mais experiência irá adquirir, e nós cremos no contrário, acreditamos que se você se resguardar, for responsável e souber escolher, sairá ganhando"

“Muita gente acha que quanto mais se relacionar, mais experiência irá adquirir, e nós cremos no contrário, acreditamos que se você se resguardar, for responsável e souber escolher, sairá ganhando”

 

“Sete em cada dez jovens cristãos não são mais virgens”. A afirmação é da idealizadora e coordenadora do projeto Eu Escolhi Esperar, Ângela Neto, que juntamente com seu esposo Nelson Jr. trabalham aconselhando casais, jovens e adolescentes. O projeto é inspirado no testemunho de vida do seu marido que desde os onze anos de idade decidiu que se casaria virgem e que “esperaria a pessoa certa”.

Falar sobre sexualidade já foi um grande tabu na vida das pessoas, principalmente na hora de auxiliar os jovens e adolescentes. Talvez por isso a mobilização “Eu Escolhi Esperar” tenha feito tanto sucesso: o canal no Youtube tem 586.471 mil inscritos e em 2015 mais de dois milhões de jovens aderiram à causa pelas redes sociais.

Segundo Ângela,  o movimento trabalha dois temas: “Preservação sexual” e “integridade emocional”. O projeto tem por objetivo encorajar, fortalecer e orientar adolescentes, jovens e pais sobre a necessidade de viver uma vida “sexualmente pura” e “emocionalmente saudável” que em outras palavras significa não ter uma experiência sexual com o parceiro (a) antes do casamento. Destacando a relevância de saber esperar o “tempo certo”, a “pessoa certa” e a “forma certa” de viverem as experiências nestas duas áreas do melhor modo.

Ângela relata ter conhecido seu esposo, Nelson, na igreja, no grupo de jovens que era coordenado por ele. Ela diz que na época passava por um momento difícil após o término de um relacionamento que não deu certo, e viu em Nelson um grande amigo. Com o passar do tempo, começou a perceber que ele era um homem diferente dos demais, conta ela, principalmente ao saber que aos 11 anos de idade ele havia decidido guardar-se tanto emocional quanto sexualmente para o casamento. Tempos depois, ele se declarou para ela, e iniciaram um relacionamento que já dura dezoito anos. Nesta entrevista, Ângela fala sobre o movimento que lideram e dá dicas para quem escolheu ou não esperar. Confira:

"Não existe uma idade correta pra se relacionar. O que existe é você entender quando estará maduro, pronto e preparado pra isso. O ideal é que você já esteja fazendo uma faculdade"

“Não existe uma idade correta pra se relacionar. O que existe é você entender quando estará maduro, pronto e preparado pra isso. O ideal é que você já esteja fazendo uma faculdade”

 

Imperatriz Notícias – O projeto foi idealizado enquanto a senhora e seu esposo estavam namorando ou depois de algum tempo de casados?

Ângela Neto – Nós já trabalhávamos com jovens há alguns anos, mas vimos que muitos casais tinham problemas no relacionamento. Percebíamos que esses problemas poderiam ter sido evitados se eles tivessem recebido uma orientação enquanto namoravam, para que assim compreendessem como escolher uma pessoa certa, e se guardarem emocional e sexualmente. Vários envolvimentos emocionais e sexuais que os jovens têm antes do casamento, acabam atrapalhando o relacionamento no casamento, porque é uma carga que levamos pra dentro do matrimônio, então decidimos começar a falar sobre isso a partir do princípio e do testemunho do Nelson. Ele começou a sair e a pregar sobre isso, falar sobre emoção, relacionamento e vida sentimental. Tem cinco anos, mais ou menos, que isso aconteceu, e pra glória de Deus explodiu, foi muito rápido o crescimento, e aí, fomos organizando conforme a demanda ia acontecendo.

I.N- Por que o jovem deve esperar para se relacionar sexualmente até o casamento?

A.N-O excesso de relacionamentos tanto na área emocional quanto na área sexual é prejudicial. Muita gente acha que quanto mais se relacionar, mais experiência irá adquirir, e nós cremos no contrário, acreditamos que se você se resguardar, for responsável e souber escolher, sairá ganhando muito mais do que uma pessoa que se relaciona com várias outras, e acaba tendo muitas decepções, ficando com muitos traumas, marcas emocionais, vícios emocionais e vícios sexuais. Isso não é benéfico pra um relacionamento a dois ou para um casamento futuro. O incentivo aos jovens a “viver a vida”, acaba trazendo muitos malefícios. A nossa preocupação é com uma vida sexual e emocional saudável.

I.N- Qual a fundamentação bíblica pra convencer as pessoas de que devem esperar?

A.N- É importante deixar claro que nós não somos uma campanha que diz o que pode e o que não pode fazer. Nós não trabalhamos com o “ah é proibido” e sim trabalhamos conscientizando que tudo na vida é uma questão de escolha. Hoje você faz a suas escolhas, amanhã a suas escolhas farão você. Se você quer ser bem sucedido na sua vida, deve fazer boas escolhas, e a área emocional não foge disso, ela também é construída dessa forma, e nós como cristãos seguimos o que a palavra de Deus diz. Dentre muitos versículos da bíblia que nós usamos pra embasar o que falamos é I Tessalonicenses 4:3-4 que diz: “A vontade de Deus é que vocês sejam santificados: abstenham-se da imoralidade sexual, cada um saiba controlar o próprio corpo de maneira santa e honrosa.”

I.N- E por quanto tempo eu devo esperar?

A.N- Nós cremos que o relacionamento emocional só é valido quando a pessoa já está madura para tal coisa. Acreditamos, como cristãos, que o sexo é presente de Deus para o casamento. Não estimulamos os adolescentes a se relacionarem, porque acreditamos que o relacionamento imaturo, precoce e excessivo, traz malefícios, traumas emocionais e problemas; o que faz com que muitas pessoas, hoje em dia, passem por dificuldades emocionais por conta de decepções amorosas que tiveram não somente na adolescência, mas, na juventude também. Não existe uma idade correta pra se relacionar. O que existe é você entender quando estará maduro, pronto e preparado pra isso. O ideal é que você já esteja fazendo uma faculdade, saiba quem você é, quais são seus planos de vida e aí sim se associar a alguém num relacionamento, porque casamento é um desafio diário e se você não sabe ainda como são seus planos e o que quer fazer da sua vida, fica difícil manter um relacionamento saudável, pois não se sabe o que esperar dessa pessoa. A nossa orientação é: se você está maduro pra isso, você é capaz de se relacionar. Não existe uma idade “xis”. Nós não aconselhamos pessoas muito novas pelo fato de ainda não serem maduras o suficiente.

I.N- Mas e se eu não esperei, o que faço da minha vida?

A.N- Não criemos pânico, como dizia Chapolin Colorado (risos). A campanha não visa a virgindade em si, mas sim uma vida emocional e sexualmente saudável. Se você não esperou, mas entendeu qual é a proposta e acredita que essa é a melhor escolha a fazer, a partir de agora você tem que tomar uma nova postura. Passe a esperar, se guarde emocionalmente e sexualmente, porque agora você entendeu que essa é a melhor opção, e que isso vai te trazer benefícios. Costumo dizer nos seminários que Deus faz nova todas as coisas, que o nosso Deus é um Deus de novos começos, se hoje você não esperou, mas está decidido agora a tomar essa decisão, e escolheu esperar, então comece a esperar e a viver de acordo com aquilo que a palavra de Deus prega. Não há problema nenhum, nós conhecemos e temos vários seguidores, pessoas adultas, que já tiveram uma vida sexualmente ativa e que entenderam a proposta e passaram a viver com o que o “Eu Escolhi Esperar” prega.

 I.N- Pra quem é mais difícil esperar, para o homem ou para mulher?

A.N-Nesse mundo de hoje, extremamente sexual, apelativo, onde há nudez em tudo que é lugar, na televisão, no outdoor, nas revistas, nos comercias de cerveja, perfume, ou qualquer coisa, acho que não tem maior dificuldade pra um ou outro. A mulher é pressionada a ser sensual pra ser aceita e o cara é bombardeado com a nudez explicita o tempo todo. Então, acho que é difícil para os dois, não tem diferença, acredito que é uma luta diária para ambos.

I.N-Por que vocês escolheram o humor pra falar de um assunto tão sério?

A.N-Nós escolhemos o humor porque estamos falando pra jovens. Os jovens de hoje são pessoas dinâmicas, ativas, pra cima e cheias de vida e esta é uma forma alegre, descontraída, divertida de você ensinar, de você instruir. Se for uma coisa muito pesada, séria, carregada, acaba não interessando os jovens, estão nosso objetivo realmente é instruir, mas sendo algo leve e divertido. Esse é o nosso perfil. Nós como casal somos assim e acabamos passando isso pra campanha também.

I.N- Você acredita que a juventude de hoje está mais conservadora?

A.N-Não. Eu não acredito que ela está mais conservadora, mas acredito que as coisas são cíclicas e que uma hora as pessoas vão entender que essa liberdade toda que foi proposta não faz bem. Os jovens já começaram a procurar uma referência, um limite, porque eles entendem que essa liberdade toda acaba não sendo tão benéfica quanto se prega atualmente. O“Eu Escolhi Esperar “é o reflexo dessa procura. A cada sete jovens cristãos, na igreja, cinco já não são mais virgens. Então eu acredito que a juventude não está conservadora, mas já está conseguindo entender que isso não está fazendo bem pra sociedade, para a juventude em si.

I.N- O quadro “Excelência Emocional” no canal do Eu Escolhi Esperar no youtube tem base em algum estudo teórico ou é baseado somente em experiências próprias?

A.N-O quadro Excelência Emocional não é só de experiências nossas, apesar de termos vinte anos acompanhando os jovens, buscamos nos especializar mais no assunto e estudar. Fizemos cursos na área e com certeza tudo isso é fruto dos cursos que foram feitos. Sempre costumamos estudar um pouquinho e pesquisar sobre o assunto, pra não falar besteira. Procuramos sempre estar embasados. Você pode ver que alguns vídeos, nós temos informações científicas e informações de pesquisa, então, com certeza não é um vídeo feito com nossas experiências.

I.N- Existe uma “metade da laranja” pra cada pessoa?

A.N-Nós particularmente não acreditamos que exista uma pessoa específica pra cada pessoa, mas sim que existe uma escolha a ser feita, uma decisão entre duas pessoas que estão dispostas a se comprometerem e viver a vida juntos, fazer uma aliança, caminharem ju