Repórteres: Alice Caroline e Ruilan Santos

Fotos: Ruilan Santos

Priscila Sousa do Nascimento, 28 anos, natural de Imperatriz – MA, é formada em Medicina pela UniEvangélica (Centro Universitário de Anápolis) em Goiás, pós graduada em Nutrologia pela Abran (Associação Brasileira de Nutrologia) e em Longevidade Saudável pela Sobraf (Sociedade Brasileira para Estudos da Fisiologia). Sua paixão por Nutrologia começou logo cedo, aos 22 anos, idade em que terminou sua graduação. A médica era bastante insatisfeita com seu corpo e resolveu estudar Nutrologia para mudar alguns de seus próprios hábitos. “Eu era muito magra e muito complexada com isso, usava de duas a três calças para poder aumentar volume. E eu comecei a estudar Nutrologia para eu me melhorar, a intenção era só essa, só que eu fui me apaixonando e virou minha vida.”

A nutróloga busca sempre atualização, investindo em cursos e projetos na área em que atua. Através disso, vem auxiliando diversas pessoas a cuidarem da saúde por meio da prática de exercícios físicos regulares e alimentação saudável. Atualmente, utiliza das redes sociais para compartilhar dicas de alimentação e atividade física para mais de 30 mil seguidores no Instagram.

Com isso, em maio deste ano ela trouxe para Imperatriz uma nova modalidade que envolve exercício físico a impulsos elétricos, chamada de Xbody ou Eletroestimulação. O Xbody é uma tecnologia desenvolvida na Alemanha que nasceu com o intuito de tratar pessoas lesionadas, foi criada especificamente para jogadores de futebol. Esses se lesionavam e precisavam de uma musculatura muito forte para jogar, então criou-se essa técnica para ajudar a estimular o músculo. No entanto, viu-se que a técnica poderia ser utilizada promover emagrecimento, ganho de massa muscular e tratar lesionados.

A técnica trata-se de um conjunto de colete com eletrodos e de uma máquina de última geração que controla os estímulos simultâneos e trabalha mais de 260 músculos. Em apenas 20 minutos o usuário treina o equivalente a uma hora de musculação convencional, fazendo exercícios simples como agachamentos, afundo e flexões.

Segundo a Xbody Brasil a Eletroestimulação Muscular (EMS) é a indução de uma contração muscular através da utilização de impulsos elétricos. Esses mesmos impulsos que são emitidos pelo equipamento são transmitidos para os eletrodos, que fazem com que os músculos sejam contraídos de forma controlada. “É uma atividade de força resistida igual a academia, só que sem peso, porque a máquina passa um impulso elétrico até a pessoa através de um colete que aumenta carga, que determina que grupo muscular que vai trabalhar. É uma técnica inovadora da musculação e com menos tempo”, afirma a Nutróloga Priscila Nascimento.

Em entrevista com o Imperatriz Notícias a médica explica sobre a técnica Xbody que vem ganhando vários adeptos na cidade.

Imperatriz Notícias: É verdade que em 20 minutos de aula as pessoas perdem a mesma quantidade de calorias que em uma hora de academia?

Priscila Nascimento: Sim, inclusive um dia desses quando fui à academia pude notar através do meu relógio a quantidade de calorias que havia gasto, que foi acho que 270 e depois quando fui na academia convencional, no treino de musculação, eu também medi e deu um total de 210 calorias, foi até bem mais, mas por que? Porque não tem descanso, é ininterrupto, você pega 20 minutos e você não pára, você fica 20 minutos em exercício, em estímulo, sem parar para nada e já na academia a gente descansa, a gente faz uma série, diminui o peso, aumenta o peso, faz outra. Esse que é o diferencial, a intensidade no XBody é alta.

IN: Então no futuro não malharemos?

PN: Talvez, (risos). Na verdade, já existe uma outra versão do XBody, que é uma versão que a pessoa não precisa fazer movimento, porque aqui o pessoal faz movimento, o pessoal treina, e no futuro eles não vão precisar fazer movimento, já tem em alguns grandes centros. O usuário fica deitado e fica acontecendo a eletroestimulação.

“E entre você fazer um exercício que dura vinte minutos, duas a três vezes na semana, e ficar em casa deitado no sofá, compensa muito, passa bem rápido”

IN: Essa modalidade une exercícios físicos a choque elétricos. O XBODY/eletroestimulação pode substituir a academia convencional?

PN: Pode naturalmente, porque é uma atividade de força e uma atividade resistida,que pode causar hipertrofia ou emagrecimento assim como a academia convencional oferece, então ele proporciona os mesmos benefícios que a academia.

IN: É uma técnica que ganhou muitos adeptos aqui na cidade. E qual a diferença dela para academia convencional?

PN: O tempo, porque hoje em dia o tempo é uma coisa que as pessoas precisam né? o tempo é uma coisa cara para as pessoas, nem todo mundo tem. O tempo de frequência, porque é só de duas a três vezes na semana, não precisa ser feito todos os dias e o resultado e tecnologia, e além disso também tratalesionados, então hérnia de disco, ligamento de joelho rompido, que limita o movimento na academia e aqui não.

IN: Todo mundo pode praticar? Deficientes físicos, pessoas cardíacas, crianças?

PN: Não, a gente tem um questionário que as pessoas respondem antes de iniciar. Por exemplo, pessoas que usam marca passo, DIU de cobre, que usam platina, não podem praticar. Mas por que? Porque é eletricidade, eletricidade com ferro não vai dar certo. Então tem um grupo de pessoas que não podem, pessoas que convulsionam, grávidas, por conta da corrente elétrica, então há um questionário que a gente exclui algumas pessoas.

IN: Então para a pessoa praticar XBody ela precisa passar por uma série de exames?

PN: Não, ela vai responder o anamnese, que é um questionário, negando algumas coisas. Caso ela não tenha, ela pode participar normalmente, mas geralmente é o paciente que já teve ataque cardíaco, paciente com marca passo, com DIU de cobre, pacientes que convulsionam, grávidas e crianças relativa contraindicação.

IN: Eu posso praticar essa técnica em casa?

PN: Se você tiver uma máquina (risos), mas é bem caro.

IN: Existem casos de pessoas que após as sessões tiveram algumas lesões, como o rompimento das fibras musculares. Os aparelhos oferecem riscos à saúde?

PN: Depende da intensidade, assim como na academia convencional, na academia a gente pode romper a fibra muscular, ao praticar luta a gente pode romper, então tudo depende da intensidade. O professor tem que respeitar o limite do aluno e o aluno tem saber informar qual é o limite dele porque a máquina vai de zero a cem, daí depende da pessoa.

IN: Com a rotina do dia a dia, muitas pessoas não possuem tempo para praticar exercícios físicos ou usam essa desculpa para não praticarem. É uma modalidade que compensa?

PN: Compensa bastante, a minha ideia de trazer para cá foi porque sempre que eu ia para Goiânia e não tinha tempo de treinar lá, por conta de toda uma logística de academia, personal, tempo etc. Daí eu comecei a fazer as aulas por conta do tempo, pela comodidade, pelo resultado e gostei, claro. Eu vi também que meus pacientes não gostam de ir para academia, a maioria, porque eu trato muito a obesidade, então eles não querem malhar. E entre você fazer um exercício que dura vinte minutos, duas a três vezes na semana, e ficar em casa deitado no sofá, compensa muito, passa bem rápido, quando eles veem já acabou.

IN: Alguns anos atrás uma leva de aparelhos elétricos com objetivos estéticos começaram a se tornar populares, que são os tonificadores musculares elétricos ou aparelhos abdominais. Quais as diferenças desses aparelhos para a eletroestimulação/XBODY?

PN: Eu não conheço a mecânica desses tonificadores, mas talvez o XBody seja um aprimoramento bem mais avançado. Mas os tonificadores não conseguem atingir todos os grupos musculares, o XBody consegue atingir 260 músculos e o tonificador é um aparelho bem local.

IN: O estímulo elétrico dos músculos já é usado como uma forma eficaz de reabilitação há anos. A eletroestimulação/XBODY pode ajudar as pessoas que sofrem com danos nos nervos a se recuperarem?

PN: Sim, por conta do fortalecimento muscular, que é aquela história lá dos jogadores, por isso que a técnica foi criada. Ele regenera músculos, fortalece, então trata, temos muito clientes lesionados aqui que utilizam da técnica para se tratar.

IN: E como você conheceu essa técnica, essa nova modalidade?

PN: Então, eu atendo em Goiânia em um prédio que tem uma academia de XBody e eu sou muito curiosa. Daí eu vi aquela coisa, aquelas roupas bonitas e não acreditava, falava “ah para cima de mim? Só 20 minutos, isso não existe, isso é mentira, claro que isso não funciona”. E aí eu fui fazer uma aula e fiquei três dias sem sentar, eu lembro que foi minha primeira aula e falei “olha to mudando meu conceito, isso funciona”. E por que a gente fica mais dolorido do que na academia? porque a lesão no músculo, a microlesão, é menor ainda do que na academia, por isso que a gente fica mais dolorido. E aí eu vi que funcionava, daí eu comecei a brilhar os olhos para issoe vi a necessidade do paciente também.

IN: E por que as pessoas deveriam praticar o XBody/Eletroestimulação?

PN: Porque além de ser uma atividade resistida muscular, que vai tirar a pessoa do sedentarismo, que vai trazer benefícios cardiomusculares, ainda é uma atividade que pode moldar o corpo da pessoa, promover o emagrecimento, acelerar o metabolismo, reduzir celulite. Os benefícios são múltiplos, os benefícios são os mesmos de uma pessoa atleta, de uma pessoa que sai do sedentarismo.

IN: Algumas pessoas gostariam de praticar, mas acham caro. Por que é tão caro?

PN: Ainda não é barato, vamos combinar. Mas, é infinitamente mais barato do que a franquia e não tem comoser mais barato porque é muito caro para manter. Existem gastos com professor, aparelho e estrutura. Então, a gente tem vários pacotes, temos pacote para uma pessoa, para casal, e pacotes para cinco ou mais pessoas. O preço varia de R$ 260,00 a R$ 460,00, depende também da frequência, uma semana, duas vezes, três vezes, então é bem variada a tabela de preço.

Legenda fotos: Coletes apropriados para o desenvolvimento do treino que tem capacidade de absorver os estímulos elétricos. Vai do PP ou extra G, para pessoas de até 140 quilos.