O empresário, que tem uma longa vida pública, participa de uma das mais acirradas campanhas pela prefeitura de Imperatriz-MA 

Por Wallisson Marques Santos

Natural da cidade de Malta, na Paraíba, Ildon Marques, nascido em 1945, possui nível superior incompleto. É empresário e um dos donos do grupo Liliane, que também é formado pela Liliane Construções, por fábricas de estofados e produtos do ramo da pecuária. Ildon é um dos políticos mais antigos do Estado, eleito prefeito de Imperatriz por duas vezes, em 1996 e 2004. Pode-se notar que a carreira política do candidato é longa, com passagens pelo Senado Federal e Câmara dos Deputados, em Brasília. Além disso, o candidato, um nome de peso na história política de Imperatriz, tenta uma nova eleição ao lado do vice, Rodrigo Brasmar.

Por isso, é vital analisarmos a carreira de Ildon e o atual momento político. Para o professor do Curso de Jornalismo da Universidade Federal do Maranhão, Carlos Alberto Claudino, Mestre em Políticas Públicas, apesar dos problemas com a justiça, a candidatura de Ildon integra, atualmente, um corpo político que faz parte do mesmo do atual do prefeito, o que em tese, beneficia Assis Ramos devido às alianças partidárias em que ambos estão inseridos.

“O partido do Assis é o DEM, o partido do Ildon, que era o MDB agora é o PP. Juntamente com outros candidatos, esses partidos compõem aquele bloco que a gente denomina de ‘Centrão’. Eu tenho a impressão de que o Ildon está na eleição naquele sentimento se ganhar ganhou, senão tudo bem. Eu avalio que a intenção da candidatura, nesse momento, é garantir a reeleição do atual prefeito, o que eles estão brigando é para não perder a prefeitura. Eu posso estar errado, mas é uma observação válida”, analisa o professor Carlos Alberto Claudino.

Devido às ações à época em que estava à frente da prefeitura, tanto como interventor quanto gestor, Ildon conquistou votos de um público de servidores e cidadãos que permanece fiel até hoje, observa o professor Claudino. “Ele conseguiu construir um público de eleitores que são fiéis a ele, independentemente de qualquer coisa. Tem pessoas da época em que ele foi prefeito que votam nele por gratidão, mas eu acredito que,como o eleitorado vai se renovando, e os jovens vão chegando, há um possibilidade do quantitativo de votos serem alterados e, provavelmente, para menos”, afirma Claudino.

Observando a sua trajetória, vemos que no ano de 1982, Ildon Marques foi nomeado, pelo PDS, vice-prefeito, na chapa de Ribamar Fiquene, em Imperatriz. A partir disso, migrou em 1986 para cargos maiores, foi candidato a vice-governador, na chapa de João Castelo. Desse modo, em 1996, foi eleito, pelo PMDB, prefeito de Imperatriz.

Nesse intervalo, cabe ressaltar a participação do político na revolta popular de 1995 em Imperatriz, que contou com cerca de 10 mil pessoas em manifestações nas ruas da cidade, segundo a Polícia Militar à época. Ildon teve ainda atuação como interventor do município, com a finalidade de reorganizar a máquina pública e normalizar serviços públicos essenciais, os quais estavam abandonados pela administração à época, bem como os funcionários públicos, que estavam há três meses sem receber salários.

Em 2002, foi eleito segundo suplente a Senador, na chapa de Roseana Sarney, pela coligação O Maranhão segue em frente (PFL, PMDB, PL, PSD, PV, PSC, PST, PSDC). Já em 2004, foi eleito, pelo segundo mandato, prefeito de Imperatriz. Por fim, em 2016, filiou-se ao PSB e tomou posse como deputado federal em 21 de junho de 2016.

“Ildon participa do jogo de bastidores. Desde a década de 80, tinha papel importante. Havia o pai do candidato Daniel Fiim, depois o Onofre Corrêa, que foi prefeito de Imperatriz, o Freitas Filho, que depois foi candidato a vereador e veio a falecer e outros. Então, é esse bloco antigo do MDB que vem, em determinados momentos, convergindo com esse pessoal e em outros divergindo com eles. Ildon sempre teve uma visão boa do campo político e das alianças, conseguiu jogar o jogo. Se formos pegar o histórico recente da política de Imperatriz, o candidato tem uma participação ativa nesse campo, nas composições da política. Foi de vice-governador até senador e, na região tocantina, foi muito ativo. Hoje está um pouco esmorecido, não está com toda essa atuação, pelo menos eu não observo nesse momento”, pontua o professor Claudino.

Propostas

Atualmente, o político disputa o cargo de chefe do executivo municipal com mais dez candidatos em uma eleição bastante acirrada. Ildon vem com o lema de paz e desenvolvimento para a cidade, com foco na saúde, educação e infraestrutura. Ele possui como marcas positivas em suas gestões o bom diálogo com servidores públicos municipais. Outro destaque, na área da saúde, foi a implementação do socorrinho. Na educação fez ações importantes, como desenvolver um plano de carreira e salários para professores.

Conforme destaca a candidata a vereadora, advogada e professora, Laurência Santos, Ildon Marques está em ascensão até a prefeitura devido ao sentimento de gratidão herdado em gestões passadas. “Quem o conheceu na época que ele foi prefeito, viu que nenhum professor foi tão mais valorizado. Primeiro, quando ele entrou como interventor, todos os professores não tinham credibilidade, porque eles se encontravam com três ou quatro meses de atrasos em seus pagamentos. Ildon Marques entrou e, além de ter colocado em dia o pagamento dos professores, atualizou a folha salarial. Quem trabalhou com ele na educação e saúde, na época de interventor e de prefeito, não vota contra”, afirma Laurência.

Esse sentimento de gratidão e admiração é compartilhado pelos mais novos, como no caso do ator da Cia de Teatro Okazajo, Daylson Honorato. “Ele representa um legado, Ildon Marques sempre foi e é um político reconhecido como político do povo, amado e reconhecido por grandes projetos durante a sua gestão. Ildon é espelho para muitos políticos que já passaram ou ainda iram passar pela nossa cidade. O que nós podemos observar é que, até mesmo para outros eleitores, Ildon foi sim um bom prefeito, digamos que seu único erro seria não ter bons aliados na época de sua gestão. Podemos observar o quanto ele é um político bom, nas caminhadas onde tenho participado, senhoras, jovens e principalmente crianças ficam na porta esperando ele passar. Sem contar com uma grande parte da educação fala de Ildon com um sentimento de saudades”, observa Daylson Honorato.

Justiça

     O político possui marcas negativas no que diz respeito a sua administração, onde acabou sendo denunciado pelo Ministério Público Estadual e condenado pela justiça por improbidade administrativa, por distribuir cestas básicas de Natal com produtos oriundos da merenda escolar do município. O candidato ainda teve contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) no que diz respeito a contratos e repasse de valores nas áreas de saúde e infraestrutura, o que, por consequência, o tornou réu na justiça sendo condenado pelos ilícitos em 2017. Em virtude disso, nesse ano, Ildon sofreu uma ação por parte MPE que impugnou a sua candidatura, para concorrer às eleições de 2020.

Na ação o MPE alega que o político possui quatro condenações, uma por desvios de verbas durante os anos de 1998 e 2000, no programa de incentivo de combate às carências nutricionais, outra por desvios de recursos em um programa com o Governo Federal para construção de uma unidade básica de saúde e as outras duas condenações foram motivadas por desvio de verba pública. Nessa última, Ildon Marques não conseguiu comprovar a falta de aplicação de recursos enviados pelo Governo Federal.

Os eleitores contrários criticam os equívocos do ex-prefeito diante das calamidades que assolam a cidade. O motorista Sebastião Sousa, 41 anos, recorda que o candidato não investia recursos suficientes para área de saneamento e infraestrutura básica, tornando as ruas de Imperatriz intrafegáveis em época de chuva e um amontoado de lixo nas ruas. “O problema do Ildon era que quando era época para ajeitar os bueiros, mexer nas ruas e tapar os buracos, ele dava prioridade para outras coisas. Vivia falando que iria resolver o problema dos buracos e das chuvas, ajeitar as ruas e demorava. Quando a chuva chegava, levava o lixo, que entupia os esgotos. E a a água trazia todo o lixo para dentro das casas. A população ouvia sempre a mesma história, que a culpa era de fulano e cicrano, igual acontece hoje”, destaca Sebastião.

O vendedor autônomo Israel Chaves, 36 anos, também questiona o candidato Ildon Marques.  “O Ildon não tem proposta boa para cidade, fez uma ou outra coisa boa para Imperatriz como as galerias, mas nunca mandava limpar. Não deixava faltar merenda nas escolas, mas hoje não tem projeto bom para a cidade. É só a mesma conversa de antes”, afirma Israel.

Cabe ressaltar que até o final da produção desse perfil, o candidato e nem seu vice, Rodrigo Brasmar, ou seus assessores ou marketing responderam aos pedidos para uma entrevista, ou responderam também qualquer questionamento a respeito da vida pública e privada do candidato.

Foto: reprodução

*Atividade da disciplina Técnicas de Reportagem, do Curso de Jornalismo da UFMA Imperatriz (2020.1).