“Faria praticamente tudo ao contrário, minha estratégia seria totalmente diferente do que foi adotada”, disse o candidato a prefeito de Imperatriz, Daniel Fiim (Podemos), em entrevista no último sábado (17), quando questionado sobre o que faria de diferente da atual gestão no combate a pandemia do COVID-19 na segunda maior cidade do Maranhão.

O candidato, que também é médico, apontou que a centralização e a logística de atendimentos foram grandes problemas na condução da gestão atual frente a pandemia. “Em primeiro lugar eu faria uma descentralização dos atendimentos, o grande problema da pandemia é a aglomeração de pessoas”, acrescentou. “Nós tivemos escolas fechadas em imperatriz, tanto escolas municipais como estaduais, eu utilizaria esses centros escolares como unidades de atendimento, para que a gente pudesse descentralizar os atendimentos, e as pessoas não precisassem estar se deslocando para procurar atendimento médico, principalmente no pico da pandemia”, afirmou.

Socorrão de Imperatriz

Ainda sobre saúde, o candidato também falou na entrevista sobre a situação do Socorrão de Imperatriz, “O Socorrão não tem mais estrutura física para funcionar como hospital há mais de dez, quinze anos. Além de ser um hospital alugado em que o município tem um custo de cem mil reais, a estrutura física não é mais apropriada para atender pessoas”, disse.

Hospital Municipal de Imperatriz (HMI). (Foto: Patrícia Araújo)

Sobre a construção de um novo hospital, Daniel Fiim afirma que é necessário uma ampla discussão com foco em mais um hospital municipal na cidade.

“Uma cidade da proporção de Imperatriz, em torno de 250 mil habitantes, mas que tem uma representação de saúde pública, com abrangência de 45 a 50 municípios próximos a Imperatriz, fora a referência que nós temos do Tocantins e do Pará, se estender nossa área de atendimento, está em torno de 1,5 milhão de pessoas, não se pode discutir saúde pública de Imperatriz, se não se discutir, a construção de um novo hospital nessa cidade”.

De acordo seu o plano de governo, o apoio para a construção de um novo hospital municipal, seria através de emendas parlamentares, recursos próprios e auxílio da iniciativa privada.

Confira na íntegra, a entrevista do candidato Daniel Fiim (Podemos).