Bomboniere voltou, mas fez falta aos frequentadores. Foto: Davi França.

Mesmo que o cinema feche novamente há uma segunda opção – o cinema drive-in

Enia Ocean

Depois de meses fechado por causa do novo coronavírus, o cinema em Imperatriz reabriu em julho, com limitações para proteger do público e evitar aglomeração

Ronny Rodrigues, gerente do Cine Star, em Imperatriz, comenta sobre o fechamento inesperado do cinema. “Bem difícil, porque jamais imaginamos passar por isso. Fomos um dos primeiros segmentos a fechar.”

Com chances de uma segunda onda do novo coronavírus, a opção mais viável caso o cinema precise fechar novamente, será o cinema drive-in. Uma experiência que aconteceu em setembro e, segundo ele, o público gostou bastante. Ronny aproveitou a pandemia para iniciar o projeto. “O cine drive-in aqui em Imperatriz foi iniciativa minha, que sempre tive o sonho de promover algo do tipo um dia. Uma realização profissional na área cinematográfica aqui na nossa cidade”, conta.

O retorno do cinema só ocorreu em julho, devido à redução de casos da Covid-19 na cidade.  O decreto de 11 de julho permitiu a volta de serviços não essenciais, como salas de cinema, teatro, shows, celebrações de instituições religiosas e outros.

Rodrigues pensou em como iria adaptar o cinema às normas da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do decreto municipal, e se poderia abrir a Bomboniere. “No Brasil não tínhamos referência de cinemas reabrindo. Seríamos um dos primeiros”, lembra. A capacidade normal por sessão é de 344 pessoas. Mas, para reabrir o cinema deve operar com 50% da lotação.

“Resolvemos abrir, negociamos com as distribuidoras dos filmes, por conta de todos os lançamentos terem sido adiados. Aí fomos informados que para reabertura, poderíamos voltar com títulos que foram sucesso de bilheteria”, diz Rodrigues.

Clientes como os estudantes Julia Santos, de Psicologia, e Júnior Bezerra, de Direito, costumam ir ao cinema com frequência. Ambos concordaram com as medidas restritivas. Mas o maior interesse dos cinéfilos, além da reabertura eram as estreias. “Esperava pelo novo filme dos Velozes e Furiosos, Doutor Estranho e outros”, comenta Júnior.

Para ele, a falta da bomboniere marcou a experiência da reabertura com novas regras. “Ficar sem comer pipoca dentro do cinema ficou bem chato, parece que está faltando alguma coisa sempre”. A bomboniere voltou e já é possível comer dentro das salas desde que a máscara seja recolocada ao terminar as refeições.

Os dois concordaram que a experiência de ver um filme nas telonas agora é diferente. Júlia conta que “mudou um pouco sim, pelo fato de precisar ter mais cuidado.” Mas as pessoas sem máscara foram observadas por um dos frequentadores, mesmo sendo proibido. 

Regras a serem observadas nos cinemas

  • Utilização obrigatória da máscara para os funcionários e clientes, fora e dentro das salas;
  • Uso do álcool em gel;
  • Proibido crianças menores de 7 anos;
  • Depois que terminar o consumo de alimentos colocar a máscara novamente;
  • Horário de funcionamento reduzido;
  • Higienização antes e depois de cada sessão, incluindo poltronas, porta-copos, corrimão etc;
  • Filas sinalizadas com o distanciamento indicado pelas autoridades de saúde.

 

Matéria produzida para a disciplina de Redação Jornalística, semestre 2020.1, com a orientação da profa. Yara Medeiros.