Conheça dez grupos de pesquisa em comunicação para participar em Imperatriz

Repórteres: Bruna Carvalho. Eduarda Andrade e  Laurenice Alcantara

 

A universidade, além de preparar o estudante para o mercado de trabalho, é uma porta de entrada para quem tem o desejo de seguir a carreira acadêmica desenvolvendo pesquisas. Isso é possível através da iniciação científica em um grupo de pesquisa.

Um grupo de pesquisa é uma comunidade constituída por estudantes e professores, na qual é possível desenvolver ou participar de projetos em torno de uma ou mais linhas de pesquisa de qualquer área do conhecimento. Os novos pesquisadores sempre contam com a orientação de um pesquisador experiente vinculado à universidade. A constituição desses grupos/centros de pesquisas é de extrema importância para as instituições de educação fazendo com que esses núcleos constituem um meio privilegiado de desenvolvimento de pesquisas científicas importantes no meio acadêmico e social.

A Universidade Federal do Maranhão (UFMA) conta com mais de 280 grupos de pesquisa em diversas áreas, como ciências biológicas, ciências sociais aplicadas, linguística, ciências humanas, ciências agrárias, entre outras. Todos os dados desses grupos estão inclusos no Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq (Centro Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). No campus de Imperatriz, os grupos de pesquisa se destacam na produção cientifica local tornando-se referência em outras universidades.

Se você tem algum interesse em seguir esse caminho e quer se aprofundar em algum tema de pesquisa, participando de debates, investigações na área da comunicação e quer contribuir para o fortalecimento de ações futuras voltadas ao crescimento dos grupos, vale a pena considerar a iniciação científica.

Afinal, participar desses grupos pode trazer benefícios para sua carreira acadêmica e profissional. Desenvolvendo habilidades em diferentes áreas do conhecimento, e aprofundando temas de seu interesse.

Veja a seguir alguns dos grupos de pesquisa do curso de Comunicação Social – Jornalismo da UFMA de Imperatriz:

 

  1. GCiber – Grupo de Pesquisa em Comunicação e Cibercultura

 

Com sua trajetória iniciada em 2016, o GCiber surgiu da parceria entre os professores do curso de jornalismo, Lucas Reino e Thaísa Bueno, tendo por finalidade dar continuidade aos estudos que envolvem a prática, identidades e reconfigurações do jornalismo a partir das transformações provenientes da cibercultura. Atualmente, conta com a parceria dos grupos de pesquisa Ciberjor, da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), e o Núcleo Maria Firmina da própria instituição. Além disso, o GCiber desenvolve estudos envolvendo temas como: jornalismo, tecnologias, rotinas, títulos, entre outros, e ainda conta com o financiamento de 3 bolsas de estudo.

Coordenadores: Thaísa Cristina Bueno e Lucas Santiago Arraes Reino.

Linhas de pesquisa: Interações, memórias e relações na cibercultura; Jornalismo e Cibercultura; Meios e Ferramentas na cibercultura.

Quantidade de membros: 25 membros, sendo 6 professores e 19 estudantes (graduação e mestrado).

Encontros: Mensais, sempre às 18h30, mediados no período da pandemia.

Redes sociais: @gciberufma (Instagram).

Contato: thaisabu@gmail.com

 

  1. RPM – Grupo de Pesquisa Rádio e Política no Maranhão

Ativo desde 2019, o grupo surgiu da necessidade de estudar sobre o rádio, o radiojornalismo, podcast, áudio e outras mídias sonoras. A proposta do grupo está em observar e as relações de poder e entender como o interesse político influencia na programação, através do mapeamento das rádios. O RPM é uma rede com pesquisadores que integram grupos como o GP Rádio e Mídia Sonora da Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, GT História da Mídia Sonora da Associação Brasileira de Pesquisadores de História da Mídia (ALCAR), Rede Radiojor do SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo e Associação das Rádios Universitárias do Brasil (RUBRA).

Coordenadora: Izani Pibernat Mustafá

Linhas de pesquisa: Radio e Politica no Maranhão; Radio; Radiojornalismo.

Quantidade de membros: 18 pesquisadores, sendo 7 professores doutores convidados.

Encontros: Quinzenalmente às quintas-feiras, das 18h30 às 20h30.

Redes sociais: Em processo de criação

Contato: izani.mustafa@gmail.com

 

  1. Núcleo Interdisciplinar de Estudo, Pesquisa e Extensão em Comunicação, Gêneros e Feminismos – Maria Firmina dos Reis

O Núcleo Maria Firmina, criado em 2019, tem como objetivo: dar visibilidade e desenvolver estudos e atividades de extensão na área de comunicação, gênero e feminismos, em parceria com pesquisadoras da área, oriundas de diversas instituições, entre elas a Universidade Federal da Bahia, a Universidade Lusófona (Portugal), a Universidade de Coimbra (Portugal), e a própria Universidade Federal do Maranhão.

Coordenadoras: Michelly Santos de Carvalho e Leila Lima de Sousa

Linhas de pesquisa: Epistemologias e Metodologias Antirracistas; Comunicação, Gênero e Feminismos; Discursos, Representações e Subjetividades; Tecnologias digitais, Raça e Gênero; Mídia, Decolonidade e Pensamento afrodiaspórico.

Quantidade de membros: 20 membros ativos

Encontros: Quinzenalmente às quartas-feiras, a partir das 19 horas

Redes Sociais: @npmariafirimana (Facebook e Instagram)

Contato: npmariafirmina@ufma.br

 

  1. Jornalismo de Fôlego: reportagem, aprofundamento e contexto

Ativo desde abril de 2018, o Jornalismo de Fôlego surgiu com o objetivo de inserir os alunos de jornalismo no exercício da pesquisa cientifica, levando-os a produzir artigos e produtos jornalísticos.  Ao estudar o universo do livro-reportagem em seu doutorado, o professor coordenador do grupo preocupou-se em criar um grupo de formação que agregasse estudantes desde os semestres iniciais, preocupados em entender a grande reportagem em todos os seus formatos, em qualquer mídia. Atualmente, as reuniões do grupo estão contando com a presença de repórteres premiados e professores especializados para discutir com os integrantes do grupo, em cada encontro, uma de seis mídias diferentes: rádio, TV, jornal, internet, livro-reportagem e revista.

Coordenador: Alexandre Zarate Maciel

Linhas de pesquisa: Jornalismo e experiências de grande reportagem (jornal, revista, rádio, TV, internet e livro); Repórteres especiais: rotinas produtivas e produtos; Repórter-escritor: o livro-reportagem e suas especificidades.

Quantidade de membros: Cerca de 15 membros.

Encontros: Quinzenalmente às segundas-feiras, a partir das 18 horas

Redes Sociais: Em processo de criação

Contato: alexandre.maciel@ufma.br

 

  1. LOVE – Laboratório de Comunicação Visual e Edição Criativa

Com o slogan “Leia, Observe, Visualize, Experimente e Edite”, o grupo LOVE é um laboratório de investigação científica e também de criação no campo da comunicação visual, que foi criado em 2020 em decorrência da pesquisa de doutorado da professora e líder do grupo Yara Medeiros  “Jornalismo visual nas narrativas da grande reportagem brasileira”. O objetivo principal do grupo é conhecer e promover formatos editoriais inovadores de comunicação visual incentivando a pesquisa, a reflexão e a produção criativa sobre a história e o cenário contemporâneo das visualidades em diferentes mídias.

Coordenadora: Yara Medeiros

Linhas de pesquisa: Jornalismo visual; Culturas e poéticas visuais.

Quantidade de membros: 12 membros, sendo 4 pesquisadores doutorados e 8 estudantes da graduação e mestrado.

Encontros: Quinzenalmente às segundas-feiras, a partir das 18h30.

Redes Sociais: @lovelabcom (Instagram)

Contato: lovelabcomvisual@gmail.com

 

  1. GamerLab- Laboratório de pesquisa em Games, Gambiarras, Entretenimento e Mediações em Rede

O GamerLab é um laboratório de pesquisa que tem como objetivo promover aos integrantes um letramento crítico a partir de intervenções hackers e criativas com a tecnologia digital. Desse modo, levando-os a aprender usar a tecnologia e ter noções de programação e computação não apenas jogando, mas também fazendo experimentações e modificações. O grupo foi aprovado nas instâncias superiores da UFMA e certificado pelo CNPq no início de 2020, e tem parceria com o Cibercog (Grupo Comunicação, Lúdico e Cognição), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Coordenador: José Carlos Messias Santos Franco

Linhas de pesquisa: Cognição Corporificada, Materialidades e Tecnologias da Comunicação; Crítica Pós-colonial da Ciência, Tecnologia e da Mídia; Humanidades Digitais e Letramentos Midiáticos.

Quantidade de membros: 10 membros ativos, sendo eles alunos de graduação e mestrado da UFMA, mestres e mestrandos de outras instituições e um aluno do Ensino Médio Técnico do IFMA.

Encontros: Semanalmente ás quintas-feiras, a partir das 18h30, pela plataforma Discord.

Redes Sociais: @gamerlabUFMA (Twitter); @gamerlabufma (Instagram e Facebook)

Contato: gamerlab@ufma.br

 

  1. Imaginarium – Comunicação, Cultura, Imaginário e Sociedade

Criado em 2016, o grupo Imaginarium surgiu no intuito de desenvolver pesquisas relacionadas ao imaginário pós-moderno sobre saúde, ciência e tecnologia e suas repercussões na sociedade. Além do mais, busca formar um corpo de pesquisadores natural do estado do Maranhão, assim como atrelar-se a redes de pesquisa. Atualmente, forma parceria com o grupo Multis – Núcleo de Estudos e Experimentações do Audiovisual e Multimídia, da Universidade Federal Fluminense (UFF), e tem como área de pesquisa predominante a Comunicação e as Ciências Sociais aplicadas.

Coordenadores: Denise Cristina Ayres Gomes e Cynthia Harumy Watanabe Correa.

Linhas de Pesquisa: Comunicação, cotidiano, ciência e tecnologia; Imaginário, saúde e pós-modernidade.

Quantidade de Membros: 13 membros, sendo 4 pesquisadores doutores e 9 estudantes da graduação e mestrado.

Encontros: Semanalmente ás segundas-feiras, a partir das 19 horas

Redes Sociais: @Imaginarium.Itz (Instagram)

Contato: dayres42@gmail.com

 

  1. COPS – Grupo de Pesquisa em Comunicação, Política e Sociedade

O grupo foi criado em 2016 e busca trabalhar as questões voltadas para a dinâmica existente entre a  comunicação e a política, evidenciando o papel do jornalismo e das práticas comunicacionais para a esfera pública e política. Além disso, observa a utilização das redes sociais por diferentes atores sociais e políticos. Há parcerias com outros grupos de pesquisa, como o  Laboratório de Mídia e Democracia (LAMIDE/UFF) e Grupo de Pesquisa em Comunicação Política e Opinião Pública (CPOP/UFPR).

Coordenadora: Camilla Quesada Tavares

Linhas de pesquisa: Comunicação política e campanhas eleitorais; Internet e Sociedade; Prática profissional, produção de notícias e cobertura jornalística.

Quantidade de membros: Frequentam o grupo em torno de 20 alunos, entre esses 7 são bolsistas.

Encontros: Quinzenalmente

Redes sociais: @copsufma (Instagram e Facebook)

Contato: pesquisacops@gmail.com

 

  1. JOIMP – Grupo de Pesquisa Jornalismo, Mídia e Memória

O grupo teve início em 2015, tendo como objetivo analisar as transformações do campo jornalístico ao longo do tempo, preservar e valorizar a memória das mídias e dos jornalistas. Atualmente, o grupo conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico do Maranhão (FAPEMA). O JOIMP é responsável pelo Centro de Documentação do Jornalismo de Imperatriz, acervo digital que reúne jornais e outros registros da história do jornalismo na região.

Coordenadora: Roseane Arcanjo Pinheiro

Quantidade de membros: 12 membros

Reuniões: Quinzenalmente, a partir das 18h30min

Linha de Pesquisa: Campo jornalístico, rotinas produtivas e práticas profissionais; Processos jornalísticos, representações e poder

Redes sociais: @joimp.ufma (Instagram)

Contato: www.joimp.ufma.br

 

  1. LiDiME – Grupo de Pesquisa em Linguagem, Discurso, Mídia e Educação

Com sua trajetória iniciada no ano de 2018, o LiDiME surgiu com o intuito de ampliar o conhecimento sobre a Análise do Discurso e suas respectivas vertentes, entre os estudantes e pesquisadores de Imperatriz. O grupo tem como foco de pesquisa as bases linguísticas, levando em consideração questões da realidade social, tendo assim  como objeto de estudo as práticas sociais de comunicação e de educação. Atualmente, conta com três colaboradores, um bolsista PIBIC e dois voluntários.

Coordenadores: Regysane Botelho Cutrim Alves e Marcos Fabio Belo Matos

Linhas de pesquisa: Linguagem e Discurso; Linguagem e Educação; Linguagem e Mídia.

Quantidade de membros: Cerca de 13 membros

Encontros: Semanalmente às segundas-feiras, a partir das 18 horas

Redes Sociais: @grupolidime (Instagram)

Contato: lidime.ufma@gmail.com

Leia Também