Com a bandeira amarela, tarifas nas contas de luz sofre acréscimos nos valores

Conta de luz mais alta no Maranhão (Foto: Carlos Antônio)

Por Carlos Antônio

Maranhão ocupa o segundo lugar do Nordeste, no ranking nacional das tarifas mais caras de energia, impacto que também vem sendo relatado por vários moradores na cidade de Imperatriz. Nos meses de janeiro e fevereiro, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), manteve pelo seu segundo mês seguido, a bandeira tarifária amarela nas contas de luz em todo o país, pois conforme a agência, o acionamento da bandeira amarela é para reforçar ações relacionadas ao uso consciente e ao combate ao desperdício de energia.

Em Imperatriz, o reflexo da alta nas contas de luz fez muitas pessoas reclamarem e buscarem entender o real motivo, de haver tanta variância nessas tarifas cobradas, no mês de janeiro e fevereiro.

Segundo Inghrid Borges, que é moradora do centro de Imperatriz, ela afirma que as contas de energia que chegaram em sua residência, vieram com valor acima da média no mês de janeiro e também agora já em fevereiro, resultando quase o dobro do que se pagava antes.

“Sim percebemos uma alta, veio super alta, a gente pagava R$54, e agora chegou mais de R$100 nesse último mês, praticamente o dobro do que a gente estava acostumado”, disse a moradora.

Já para Leonardo Sousa morador do bairro Nova Imperatriz, a conta de energia agora só chegou mais baixo, por causa de uma declaração de residência “baixa renda”.

Minha conta na verdade chegou bem mais baixo, porque agora registramos que somos baixa renda, mas antes era bem alto, pode ter aumentado em outros lugares, mas aqui baixou” afirma.

Bandeira tarifária

De acordo com a Aneel – Agência Nacional de Energia Elétrica, a bandeira tarifária é o Sistema que sinaliza aos consumidores os custos reais da geração de energia elétrica. O funcionamento é simples: as cores das Bandeiras (verde, amarela ou vermelha) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade.

Fonte: Aneel

Cada modalidade apresenta as seguintes características:

Bandeira verde: condições favoráveis de geração de energia. A tarifa não sofre nenhum acréscimo;

Bandeira amarela: condições de geração menos favoráveis. A tarifa sofre acréscimo de R$ 0,01343 para cada quilowatt-hora (kWh) consumidos;

Bandeira vermelha – Patamar 1: condições mais custosas de geração. A tarifa sofre acréscimo de R$ 0,04169 para cada quilowatt-hora kWh consumido.

Bandeira vermelha – Patamar 2: condições ainda mais custosas de geração. A tarifa sofre acréscimo de R$ 0,06243 para cada quilowatt-hora kWh consumido.

Para mais informações sobre as bandeiras tarifárias, acesse o link Aneel.