Usuários reclamam da demora dos ônibus na cidade de Imperatriz, e nas linhas intermunicipais integradas. A Rio Anil Transportes e Logística Ltda. (Ratrans) é a responsável  pelas linhas que circulam na cidade desde 2016, procurada pela reportagem para responder a respeito da falta de pontualidade, a empresa não retornou os contatos.

Mauricélia Rocha, estudante do curso de pedagogia na Uemasul,  49 anos, usuária da linha São José e Sebastião Regis, percebe que perde muito tempo no ponto de ônibus, mas nunca reclamou diretamente com empresa. “É aquela coisa, né? Você vê o problema, mas não reclama.”

Segundo pesquisa sobre mobilidade urbana, realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em 2014, um quarto da população brasileira adota o ônibus como principal meio de locomoção. Um dos motivos da insatisfação dos passageiros é o tempo gasto no trânsito, de acordo com o estudo 22% dos usuários de ônibus levam mais de duas horas para chegar no destino desejado.

Em agosto de 2018 a Ratrans também ganhou a licitação do Expresso Metropolitano para rodar nas cidades de Governador Edison Lobão e Davinópolis, e a situação é a mesma de Impertariz. “Uso diariamente a Linha de Governador Edison Lobão, e me sinto muito prejudicada pelos seus atrasos. Espero por uma hora na parada, ele sempre tá atrasado e às vezes ele não passa, ou quebra. Uma vez, minha prima reuniu um grupo de alunos para reclamar sobre os atrasos nas linhas da manhã, aí a empresa resolveu o problema apenas por duas semanas depois voltou a ficar do jeito que era novamente”, relata a estudante Emilly Costa, 15 anos.

Marcos Reis, Jovem Aprendiz, 20 anos, usuário da linha Davinópolis, afirma que a demora dos ônibus geram transtornos para os passageiros e para os motoristas, pois alguns usuários reclamam diretamente com o motorista, o que na sua opinião é totalmente errado já que ele é apenas um funcionário e os atrasos se devem por conta do número insuficiente de ônibus disponíveis para a linha.