Texto e fotos de Michely da Silva Alves

 Os primeiros trabalhos da implantação de paraciclos em Imperatriz devem começar na segunda quinzena de novembro. Planejado há alguns meses pela Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte (Setran), juntamente com a Prefeitura Municipal de Imperatriz, garantindo a destinação dessas estruturas para atender os ciclistas que permeiam no local, o projeto prevê estimular ainda mais o uso das bicicletas na cidade. Os equipamentos, que servem de estacionamento para bicicletas serão colocados, especialmente, no calçadão, em praças e outros locais de grande circulação de pessoas.

Cidade vai receber novos paraciclos a partir do próximo mês

De acordo com a Setran, cerca de 16% dos paraciclos obtidos na cidade são de empresas privadas que buscam qualidade na rotatividade de pessoas que dependem de bicicletas. O sistema de aplicação por parte dessas empresas virou algo altamente direcionado a uso coletivo, embora  muitos lugares ainda não tenham esse beneficio, como  o calçadão, a nova Beira Rio e algumas praças do centro da cidade.

Paraciclos é um suporte fixo onde a bicicleta é presa, podendo ser instalada como parte do mobiliário urbano ou dentro de uma área delimitada, chamada bicicletário. Vale lembrar que as obras de expansão de paraciclos começaram efetivamente em 2010, quando os primeiros investimentos em infraestrutura pelo ex-prefeito, Sebastião Torres Madeira, foram atribuídos no plano plurianual de 2010-2013. Após oito anos, o atual prefeito, Assis Ramos, iniciou uma elaboração de um novo projeto para tais manutenções e novas instalações.

O diretor executivo da Secretaria de Trânsito e Transporte (Setran), Ráder Brito Saraiva Leão, organiza as ideias do plano de implantações como uma concepção de novos projetos urbanísticos para a cidade de Imperatriz.

“Precisamos oferecer segurança para quem já era usuário desse meio de transporte, inicialmente, com a implantação de paraciclos que começará nesse segundo semestre de 2018. Em seguida seremos responsáveis por outros serviços no espaço urbano”, declara Ráder.

Ainda conforme o projeto, a previsão é que todos os paraciclos estejam instalados antes do fim do ano, caso não aconteça, o processo de distribuição seguirá no ano seguinte. O estudo da Prefeitura conta ainda com um reforço na orientação do espaço reservado aos ciclistas. Diante das inúmeras reclamações de ciclistas sobre a falta de paraciclos espalhados na cidade e acessibilidade na prática do veículo não motorizado, fizeram com que essas características que motivassem a prefeitura a começar um novo plano de infraestrutura.

O ciclista e estudante universitário Hyallisson Brilhante da Silva Almeida, 24, vê o prosseguimento do projeto de implantação, uma obra que vai beneficiar a população da região Tocantina.

Em locais públicos, ciclistas improvisam locais para estacionar suas bicicletas

“Os paraciclos são de suma importância para a sociedade, tendo em vista que as bicicletas estão sendo utilizadas, não apenas para esporte, mas também como meio de transporte. Por isso a necessidade de implantação em espações de grande movimentação”, afirma o estudante.