Imperatriz passa por um forte período de chuvas. Nos últimos dias o município foi atingido por grandes alagamentos em diversos bairros da cidade. Segundo dados da Defesa Civil do município, na madrugada do dia 01 de abril de 2019 foi registrado uma precipitação no volume de águas de 82,50  milímetros,  deixando os bairros Parque Alvorada I e II, Vila Ipiranga, Mutirão e Avenida JK em estado de alerta.

No dia 05 de abril de 2019, a situação se repete, porém com as chuvas mais intensificadas. A precipitação foi registrada no volume de 108,6 milímetros, novamente casas e famílias foram atingidas pelas enchentes. Desta vez com mais proporção, cerca de 2.100 pessoas estão desalojadas e 400 desabrigadas, outras localidades também foram afetadas, 12 escolas e 23 pontes foram danificadas, de acordo com informações preliminares da prefeitura de Imperatriz.  No mês de novembro do ano passado o índice de chuva acumulada chegou a 96,73 milímetros e também atingiu famílias dos bairros periféricos.

Uma das áreas mais afetadas são os bairros Parque Alvorada I e II, onde algumas casas foram completamente encobertas. De acordo com o Corpo de Bombeiros 700 famílias foram atingidas pelas inundações, destas 200 estão desabrigadas. Vila Ipiranga, Cafeteira, Vila Redenção I e II, Bacurí, Vila JK, Santa Rita, São José, Cacauzinho e Mutirão estão inclusos nesta estatística.  Os riachos do Cacau, Bacuri, Capivara, José de Alencar, do Meio e Santa Teresa foram os precursores desta catástrofe ambiental. Todos transbordaram ao receber o grande volume de chuvas. Em decorrência desta situação no dia 05 de abril de 2019 o prefeito Assis Ramos decretou situação de emergência no município.

Parque Alvorada I e II foram os bairros mais atingidos pelas enchentes. Famílias perderam tudo devido o alagamento nas casas (Foto: Prefeitura de Imperatriz)

Segundo dados do Governo do Maranhão 18 cidades decretaram estado de emergência até o momento. Os municípios em situação de risco são: Santo Amaro, Santa Helena, Boa Vista do Gurupi, Itaipava do Grajaú, Formosa da Serra Negra, Barão de Grajaú, Nina Rodrigues, Sítio Novo, Icatu, Alto Alegre do Pindaré, Paço do Lumiar, Araioses, São José de Ribamar, Timon, Conceição do Lago Açu, Imperatriz, Pindaré e Pinheiro. Cidades que não decretaram situação de calamidade passam por circunstâncias semelhantes, porém com mais gravidade, duas crianças foram levadas pelas enchentes e faleceram nos municípios de Davinópolis e Açailândia, uma de 10 anos e outra de 14 anos de idade, segundo noticiários diários da TV e Rádio.

Este cenário é semelhante com o que vive o Rio de Janeiro, na noite de segunda – feira (08), a prefeitura carioca decreta estágio de crise devido o temporal que atingiu a cidade e deixou dez pessoas mortas segundo informações do Corpo de Bombeiros. A região está classificada pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) em alerta amarelo, ou seja, situação meteorológica potencialmente perigosa.  Imperatriz está em alerta laranja, situação perigosa, segundo o instituto.

A cidade, mesmo vivenciando um contexto de dor e perdas está mobilizando mais de 500 profissionais, somados aos voluntários, corporações do Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e 50º BIS, que estão agindo para dar assistência as mais de duas mil famílias atingidas pelas enchentes. A secretaria municipal de desenvolvimento social (Sedes), visando melhorar a distribuição de donativos realiza cadastros e mapeamentos para facilitar a distribuição das doações, cerca de 450 famílias foram cadastradas e 413 cestas básicas foram entregues segundo a secretaria.  Os atingidos também recebem assistência da secretaria municipal de saúde, com a campanha de vacinação contra tétano, gripe e febre amarela. Agindo com ações para prevenir dengue e chikungunya por dedetização utilizando o carro fumacê e trabalho dos agentes de endemias visitando as casas atingidas pelas águas, entre outros atendimentos.

 

Secretaria de Desenvolvimento Social recebe doações diariamente. Cerca de 50%  das famílias cadastradas receberam donativos. (Foto: Prefeitura de Imperatriz)

 

A Sedes, assim como em outros pontos da cidade, continua recebendo ajuda da população. Os desabrigados precisam de comida, água mineral, roupas, calçados, colchões, lençóis e produtos de higiene pessoal. Abaixo segue alguns dos lugares que estão aceitando doações para as famílias:

  • UFMA – Centro: CA de Jornalismo e CA de LCH;
  • Tocantins Shopping – Segundo Piso.
  • Uemasul – Centro: Rua Godofredo Viana – Número 1300;
  • Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social – Centro: Rua Hermes da Fonseca, Número 49;
  • Defesa Civil – (99) 99152 – 0832

Para realizar as doações, se dirija aos locais indicados ou telefone para a defesa civil.