"Mãe, já vai encher?

Vamos perder as nossas coisas?”

é o que pergunta a criança à mãe, com medo de novas chuvas. Medo é sentimento encontrado pela equipe do Imperatriz Notícias nas vítimas das enchentes de Imperatriz, dias após o último alagamento. Do dia 31 de março para 1 de abril, Imperatriz foi assolada por uma chuva que causou alagamentos por várias áreas da cidade, com 88 milímetros (mm) de precipitação – sendo que 50 mm já é considerada uma chuva muito forte. A forte chuva se repetiu na noite do dia 4 para 5 de abril, levando a Prefeitura a decretar estado de emergência. Ao todo, Imperatriz sofreu com no mínimo 200 mm de chuva. Pelo menos 2.500 famílias foram atingidas, segundo a Defesa Civil,  e 800 ficaram desabrigadas. Nesta reportagem, os acontecimentos decorrentes das últimas chuvas são detalhados por famílias atingidas, especialistas, voluntários e profissionais que lutaram para trazer normalidade de volta à cidade.

Conheça as histórias

Depois da chuva

Desabrigados

Atingidos

mm de chuva

metros de drenagem

Especialistas explicam os alagamentos em Imperatriz

A resposta sobre o porquê de Imperatriz alagar não é simples e tão pouco possui uma solução imediata. Veja o que profissionais de áreas diversas explicam sobre o tema.

Leia mais

Relato de uma repórter

Imperatriz sofreu com uma forte chuva que alagou quase toda a cidade no início do mês de Abril. A mídia local cobriu esse fato mostrando todos os prejuízos para o município e população. O jornalista tem a responsabilidade de cobrir os fatos com profissionalismo. No entanto, como cidadão não deixa de se sensibilizar com os acontecimentos que afetam seus conterrâneos.

Diulia Sousa, por exemplo, foi uma das jornalistas que cobriu o alagamento. Repórter da TV Mirante há quase dois anos, ela esteve em vários pontos da cidade que foram alagados e conta sua experiência na cobertura da tragédia.

“Pessoas tirando água de casa, alguém tentando salvar seus móveis, idosos que não tinham mais onde dormir. A gente se sentia mais tocado e ao mesmo tempo mais impotente”, afirma Diulia relatando um pouco do que via enquanto noticiava a situação dos cidadãos imperatrizenses.

A repórter  comenta também que durante todo o tempo de sua carreira jornalística não tinha visto algo assim.

Ela finaliza dizendo que viu no povo um sentimento de tristeza por tudo o que perderam, móveis, documentos, animais de estimação, e  alguns tiveram a casa inteira arrastada pela enchente, mas ela também via a esperança surgir  devido o apoio que os atingidos recebiam e no sentimento de poderem recomeçar suas vidas novamente.

 

Repórter da TV Mirante Diulia Sousa (Arquivo pessoal)

Determinados a ajudar

Profissionais e voluntários dedicaram seu tempo e esforço para ajudar as muitas famílias afetadas pelos alagamentos. Foram bombeiros, defesa civil, policiais e voluntários de todos os cantos da cidade unidos para levar auxílio a quem necessitava. Conheça suas histórias.

Leia mais

Das Redes Sociais

Expediente

Ana Campos

Ana Campos

Repórter

Agda Anastácio

Agda Anastácio

Repórter

Willas Ilarino

Willas Ilarino

Diagramação

Ruillan Santos

Ruillan Santos

Repórter

Cyarla Barbosa

Cyarla Barbosa

Repórter e editora

Janethe Matos

Janethe Matos

Repórter

Ester Feitosa

Ester Feitosa

Repórter

Bruno Santos

Bruno Santos

Apoio moral

Gus Viana

Gus Viana

Foto e vídeo

Dina Prardo

Dina Prardo

Repórter

Gledson Diegues

Gledson Diegues

Repórter

Alice Caroline

Alice Caroline

Repórter

Abner Carvalho

Abner Carvalho

Repórter

Helyh Gomes

Helyh Gomes

Foto e vídeo

Suzana Araújo

Suzana Araújo

Repórter

Evellyn Lima

Evellyn Lima

Repórter

Nossas doações

Após a conclusão do trabalho a equipe de reportagem retornou aos locais onde os relatos das famílias foram recolhidos. Na ocasião, os universitários levaram os donativos arrecadados no Centro Acadêmico de Jornalismo Alexandre Maciel (Cajam) para os atingidos.

Reportagem sobre o Alagamento
Eu estava lá e vi, não eram apenas números. Eram pessoas! Pessoas que acordaram e a casa já estava toda inundada; mães que só conseguiram socorrer seus filhos mais nada; famílias que viram o pouco que tinham sendo levado pela água; crianças que mal entendiam o que estava acontecendo só tinham medo, medo de chover novamente; eram idosos que já estavam doentes antes e que a situação só agravou a saúde; jovens que estavam batalhando por seus sonhos e tiveram que interromper isso para lutar por coisas básicas, para muitas vezes, ter o que comer no dia seguinte.
São da Vila Ipiranga, Dois irmãos, Parque Alvorada I e II, Cacauzinho, Bacuri, entre outros… Não são alguns porcento, não são uma taxa, SÃO PESSOAS. Que eram invisíveis, para a sociedade, antes e, logo que as chuvas cessaram, voltaram a ser.
E eu me sinto orgulhosa de dar visibilidade a essas histórias através do meu curso de Jornalismo da Federal do Maranhão.

Helyh Gomes

Captação: Rosana Barros e Gus Viana Edição: Helyh Gomes)