Texto: Silvana Bezerra Costa

Foto: Jéssica Lima Gonçalves e Silvana Bezerra Costa

O estacionamento da Universidade Estadual da Região Tocantina (Uemasul) mudou, está organizado de forma diferente desde a aplicação de 500 adesivos distribuídos para estudantes e docentes no início de 2017, no entanto, as vagas continuam sendo insuficientes para a grande demanda de veículos existentes na instituição. Hoje o estabelecimento de ensino oferece 34 vagas para carros, exclusivas para professores e funcionários, e 150 vagas para motos, que atende o público geral, formado por estudantes e servidores. Para dar conta de toda a demanda seriam necessárias 150 vagas para carros e 350 vagas para motocicletas.

Sem espaço para ampliar estacionamento, Uemasul organiza vagas com adesivos

A universidade disponibiliza 13 cursos que funcionam nos turnos matutino, vespertino e noturno, a quantidade de adesivos é o triplo da quantidade de vagas disponíveis. O estacionamento funciona por ordem de chegada e os últimos a chegar têm que estacionar seus veículos fora da instituição, pois, segundo o prefeito do campus em Imperatriz, Antonio Pereira, essa organização foi necessária para manter o controle do fluxo de veículos, porque o espaço não comporta a demanda dos automóveis.

A Uemasul como um todo tem mais de 2 mil alunos, divididos entre o campus Açailândia e Imperatriz, mas 80% desses estudantes estão em Imperatriz, sem contar com mais de 250 professores que também a grande maioria está em Imperatriz. De acordo com o ex-coordenador geral do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da universidade, Júlio Cezar da Conceição, o estacionamento de carros é exclusivo para os professores e funcionários e mesmo assim não dá pra suprir nem a necessidade deles.

Ele conta que antes o estacionamento não era organizado e embora ainda não seja suficiente para professores e alunos com a organização por meio dos adesivos houve uma melhora.

“O estacionamento teve uma melhora comparado ao que era antes, após a distribuição dos adesivos”, afirma Júlio Cezar.

Para a estudante de Geografia da instituição, Izaura Lima,  aprova a mudança, mas ainda pondera que há pouca fiscalização. a situação é bem diferente.  Ela conta que foi válida a proposta dos adesivos, embora muitas pessoas sem os adesivos ainda consigam vaga, já que não há, na sua avaliação, uma fiscalização rigorosa.

Conforme o professor da Uemasul, Jailson de Macedo, em Imperatriz há, em geral, inúmeros problemas relacionados a mobilidade urbana. Como explica, no estacionamento da universidade, as vagas para os professores são suficientes apenas no turno noturno, enquanto nos períodos matutino e vespertino há problemas. Ele conta que já deixou várias vezes o veículo fora do campus por falta de vagas. O professor vê para os docentes como algo positivo, uma vez que são resguardados e possuem um local seguro para guardar os carros, mas segundo ele é necessário universalizar o direito das vagas em estacionamento aos estudantes também.

Adesivagem nas motos dos estudantes e servidores tenta minimizar falta de vagas

“Penso que a proposta tem sido satisfatória, em particular, aos docentes, uma vez que nem todos os estudantes foram contemplados. E, no caso, dos alunos, o direito ao estacionamento só é direcionado a quem dispõem de motocicletas. Logo, aí é perceptível uma distinção no direito ao estacionamento”, completa Jailson de Macedo.

O professor Allison Bezerra define o novo modelo de organização como uma ótima iniciativa, pois para ele trouxe uma segurança quanto ao acesso de veículos à instituição, porém precisa melhorar o quantitativo de vagas disponibilizadas. Ele conta que considera seguro estacionar seu veículo dentro do campus, mas não é toda dia que consegue colocar em alguma vaga.

“É grande a demanda de carros para poucas vagas oferecidas, há um percentual, considerando apenas docentes efetivo, aproximadamente três vezes maior que as vagas existentes”, comenta Allison Bezerra.

De acordo com a Assessoria de Comunicação (Ascom) da instituição, o espaço da universidade sempre foi muito pequeno e são muitas as demandas acadêmicas que são prioridades. Conforme a Ascom, no momento não há como propor uma expansão por conta da falta de espaço.

A renovação dos adesivos é realizada a cada início do período letivo na Uemasul, para garantir é preciso apresentar o comprovante de matrícula atualizada, xerox da identidade e cópia do documento do veículo. Essa foi a forma encontrada pela coordenação para manter o controle sobre quem utiliza o adesivo, uma vez que muitos se formam e deixam de precisar do mesmo.