Após alta nos preços de alimentos, em razão da paralisação nacional dos caminhoneiros, o comércio de frutas e verduras volta a normalidade em Imperatriz. Pesquisa feita em junho pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), sinalizou para a redução no preço de frutas, verduras e legumes nas principais centrais de abastecimento em todo o estado do Maranhão. O quilo do maracujá, por exemplo, teve uma redução de 30% e pode ser encontrado na faixa dos R$ 4.

Em Imperatriz, as feiras são uma boa opção para quem quer facilidade e economia. São cerca de seis pontos informais de venda que se espalham pelos principais bairros da cidade, como a feirinha do Bacuri e da Vila Lobão.

O setor do Mercadinho é o principal pólo de distribuição de feirinhas como a da praça de Fátima, além de abastecer cidades e regiões vizinhas do Maranhão, Pará e Tocantins. Estima-se que em média sete mil pessoas visitem o bairro todos os dias, número que pode chegar a quinze mil pessoas em fins de semana e feriados.

O comerciante Tiago Araújo diz que as vendas caíram no mês de setembro, se comparado a outros meses do ano como abril, período de maior faturamento devido ao feriado da Semana Santa. Segundo ele, a renda diária varia de oitenta a cem reais por dia. “Dá pra sobreviver se você pegar firme e trabalhar todo dia”, lamenta.

O feirante Ananias Severo trabalha na praça de Fátima nos dias de quarta e sábado e no restante da semana vende frutas e verduras na avenida Bernardo Sayão e Beira Rio, regiões com grande fluxo de pessoas. Ele conta que o melhor período de vendas é no início de cada mês quando os idosos, que são a maior parte da clientela das feiras, recebem suas aposentadorias.

Apesar disso, o comerciante afirma que, apesar da alta dos preços durante os onze dias de manifestação, a clientela continuou comprando mesmo com o tomate, por exemplo, sendo vendido a mais de oito reais o quilo.

“As vendas aumentaram naquele período. O lucro foi bem maior se comparado com o momento atual, porque os preços estavam altos e ninguém tinha coragem de pegar o que sobrou pra vender. Agora, depois que tudo normalizou, mais pessoas voltaram a comprar porque o preço diminuiu”, disse.

A servidora da previdência social, Maria Augusta, costuma comprar todas as quartas feiras no Centro da cidade e  elogia  a proximidade das feiras nos bairros da cidade.

“Costuma ser mais barato que nos supermercados. Sou apaixonada por Imperatriz pois é uma grande cidade e funciona como pólo de abastecimento de várias outras regiões. Tudo que você procura aqui você acha, não tenho nada do que reclamar”, comenta.